Educação

Aumento do número de professores tem de contribuir para “melhorar os resultados”

208

A Comissão Europeia chamou a atenção para o aumento do número de professores desde 2015, que tem de "contribuir efetivamente para melhorar os resultados da Educação".

As conclusões fazem parte do relatório de vigilância a Portugal de pós-intervenção da troika

JOSÉ COELHO/LUSA

A Comissão Europeia, no relatório de vigilância a Portugal deste mês de outubro, chamou a atenção para o aumento consistente do número de professores desde 2015, avisando o Governo português de que este crescimento tem de contribuir “para melhorar os resultados da Educação”, refere o Diário de Notícias.

“Devido às suas funções, o Ministério da Educação tem o maior número de pessoal da administração central”, número esse que “tem vindo a crescer firmemente desde 2015”, pode ler-se no relatório de pós-intervenção da troika. Por essa razão, a Comissão Europeia considera que “deveria ser assegurado que a contratação de novos professores serve melhor os resultados alcançados pelas escolas e não conduz a um subaproveitamento do pessoal docente”. Uma afirmação que a Fenprof não entende.

De acordo com a federação sindical, o reforço de docentes não tem sido suficiente para dar resposta às necessidades existentes. Além disso, o dirigente da Fenprof, Mário Nogueira, não concorda com o diagnóstico da Comissão, considerando que “de 2015 para 2017 não poderia haver um aumento consistente do número de professores”. Ao Diário de Notícias, defendeu que, mesmo alargando o horizonte temporal até às medidas tomadas por Nuno Crato, que ocupou o cargo de ministro da Educação de 2011 a 2015, dificilmente se poderia considerar ter havido um aumento no número de docentes.

“De 2011 até agora terão entrado nos quadros cerca de oito mil professores mas, no mesmo período, aposentaram-se cerca de 25 mil”, referiu Mário Nogueira ao jornal. Isto significa que as novas entradas “não cobriram sequer um terço das saídas”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Educação

As novas tecnologias e a educação

Maria de Sousa Pereira Coutinho

Muitos autores, ao analisarem as tecnologias de informação, têm vindo a apontar vários riscos, entre os quais está o de elas apagarem o indivíduo ao remetê-lo, forçosamente, para a colectividade.

caderno de apontamentos

O erro a corrigir

João Muñoz de Oliveira
109

É tempo de uma avaliação séria da introdução de provas de aferição, que em nada contribui para a melhoria do sistema educativo. Perante uma promessa de evolução, o que sucedeu foi uma regressão.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site