Cabelo

Esqueça os champôs. Conheça os novos “condicionadores secos”

Os champôs secos vieram salvar o nosso cabelo entre lavagens mas pouco ou nada fazem em termos de hidratação. É aqui que entram os condicionadores que também têm uma série de mais valias no dia a dia.

Autor
  • Helena Magalhães

O universo da beleza está sempre a criar tantas novidades que, a dada altura, já é difícil ficarmos surpreendidos, certo? Ainda por cima quando falamos de um produto – um condicionador de cabelo — que, à partida, não nos vai dar nada de novo quando a sua versão “molhada” já responde às necessidades do seu uso — hidratar e deixar os fios macios. Enquanto o champô seco se tornou um produto quase necessário para quem não lava o cabelo todos os dias (adeus raízes oleosas entre lavagens!), de que forma, afinal, os novos condicionadores secos se podem inserir na nossa rotina? Leia-se: vale mesmo a pena aderir a esta nova tendência?

O que fazem?

Enquanto o champô seco absorve a oleosidade que faz com que as raízes se colem, pouco faz, na verdade, em termos de hidratação. É aqui que entram os condicionadores secos: vão acrescentar brilho às pontas, separam os fios e voltam a dar vida e movimento ao cabelo entre as lavagens. Jennifer MacDougall de L’Oréal Professionnel disse à revista Marie Claire que, normalmente, os condicionadores secos contêm óleos que ajudam a hidratar e a adicionar brilho e textura sem necessidade de molhar. Isto significa que é uma espécie de “salva-vidas” do cabelo ao fim de alguns dias sem lavar.

Mas se contêm óleos não vão deixar o cabelo oleoso?

Não. Como explica Ginger King, especialista química em cosmética e autora de vários livros, ao site Coveteur, os condicionadores secos funcionam como uma espécie de condicionador mais rápido, ou seja, servem apenas para uma hidratação rápida entre lavagens e bastam algumas pulverizações para se ver resultados. King compara mesmo estes produtos a um óleo seco em spray que não é muito pesado e dá algum brilho e suavidade. Mas têm de ser bem utilizados. Assim, o condicionador deve ser aplicado no corpo do cabelo (que tem tendência a secar) ao contrário do champô que é aplicado no couro cabeludo para absorver a oleosidade.

Se usar um condicionador seco não preciso de um champô seco?

Um produto não invalida o outro e, na verdade, até se complementam tal como as suas versões molhadas. O champô aplica-se nas raízes e o condicionador nas extremidades. King diz que até são dois produtos inversos um do outro. “O champô seco absorve o óleo do couro cabeludo e o condicionador seco ajuda a fornecer hidratação através de um óleo. Mas este nunca é pesado o suficiente para deixar o corpo do cabelo oleoso”, explica.

As mais valias deste novo produto

  • Faz com que o brushing dure mais tempo;
  • Além de fornecer óleos que hidratam, alguns também têm ingredientes e vitaminas que ajudam a reparar ou a fortalecer os fios;
  • Dá ao cabelo um brilho saudável que anula o aspeto de cabelo baço;
  • Pode ser usado em todos os tipos de cabelo;

Na fotogaleria, em cima, conheça alguns condicionadores secos que já existem à venda em Portugal e que pode experimentar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site