Enfermeiros

Enfermeiros “pressionados” para lavar o chão em Tondela, denuncia sindicato

Sindicato diz que “os enfermeiros estão a ser pressionados” para desempenhar funções de assistentes operacionais, “nomeadamente na limpeza do chão e outros dispositivos clínicos”.

CARLOS BARROSO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) criticou esta terça-feira que enfermeiros da Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados do Campo – Caramulo, no concelho de Tondela, estejam alegadamente a sofrer pressão para fazerem a limpeza do chão.

Em comunicado, o SEP refere que “os enfermeiros estão a ser pressionados” para desempenhar funções de assistentes operacionais, “nomeadamente na limpeza do chão e outros dispositivos clínicos”.

Esta situação acontece devido “à ausência de assistentes operacionais numa parte significativa do horário semanal de funcionamento desta unidade e no iminente alargamento desse horário aos fins de semana, ao abrigo do Plano de Contingência da Gripe”, explica.

O sindicato refere ter conhecimento de que “esta pressão é exercida em mais unidades” do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Dão Lafões, “aparentando uma inércia na resolução dos problemas de fundo desta instituição”.

“As funções dos enfermeiros estão integral e claramente definidas, pelo que nunca poderemos aceitar a tentativa de atropelo que é feito à legislação e aos diplomas legais que regem a enfermagem e os seus cuidados” sublinha.

Neste âmbito, o SEP já pediu uma reunião ao diretor executivo do ACES Dão Lafões.

Contactada pela agência Lusa, fonte do ACES disse apenas que o diretor executivo terá uma reunião com os responsáveis do sindicato para esclarecer a situação.

O SEP argumenta que “a alegação da singularidade e centralidade do papel da enfermagem nos cuidados de saúde primários não pode apresentar-se apenas como um discurso eloquente sem efeito e sem corolário”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Saúde

A Venezuela aqui tão perto

Mário Amorim Lopes
134

O Ministério da Saúde, após banir as malfadadas chamuças e os vis rissóis dos hospitais aponta agora as baterias às farmácias, em particular àquelas que — imagine-se o despautério — praticam descontos

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site