Cinema

#Metoo. Filmes com actores que confessaram actos de assédio fora do Festival de Berlim

298

O festival de cinema germânico decidiu retirar da sua programação os filmes que incluem autores confessos de assédio e abuso sexual. Os Óscares também prometem ficar marcados pelo movimento #Metoo.

James Franco (com um Globo de Ouro na mão) foi um dos atores envolvidos em acusações de assédio sexual e já confessou ter seduzido uma jovem de 17 anos no Instagram

Kevin Winter/Getty Images

O diretor da Berlinale — Festival Internacional de Cinema de Berlim, Dieter Kosslick, revelou esta sexta-feira que foram retirados da programação da edição de 2018 do festival — a decorrer de 15 a 25 de este mês — os filmes que incluem atores ou atrizes que já tenham confirmado ter cometido atos de assédio ou abuso sexual. O diretor da Berlinale não quis precisar quais as obras que foram retiradas, dizendo apenas que “foram menos de cinco” e que não pode garantir que não vá existir algum “problema” com os filmes a concurso. “Vamos esperar para ver o que acontece. Espero que não aconteça nada com os filmes que temos programados”, acrescentou Dieter Kossling num encontro com a imprensa internacional, na Alemanha, citado pelo El País

A decisão foi tomada por solidariedade para com o movimento #MeToo, que começou depois das denúncias de assédio sexual contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein. Procurando alertar para o problema, o #MeToo já levou a que muitas mulheres quebrassem o silêncio e denunciassem experiências de assédio e abuso sexual por que passaram. A atriz Alyssa Milano tem sido uma das grandes porta-vozes do movimento e muitas das suas pares, como Jennifer Lawrence e Reese Witherspoon, já denunciaram publicamente situações de assédio.

O #MeToo — que estará inclusivamente presente na Berlinale com uma programação autónoma, que ainda não foi divulgada — também promete agitar a próxima cerimónia dos Óscares, a 4 de março, devendo motivar protestos e influenciar os discursos dos vencedores. Casey Affleck, acusado em 2010 de ter assediado duas mulheres e cuja distinção em 2017 com o Óscar de “Melhor Ator “pelo filme “Manchester By the Sea” já havia motivado protestos, decidiu não comparecer à cerimónia deste ano. O ator tinha sido convidado para entregar o Óscar de “Melhor Atriz” no dia 4, mas decidiu que não o fazer para não se tornar numa “distração face às performances das atrizes nomeadas para essa categoria, que devem ser o foco” do momento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site