Choros, cabeças baixas, desânimo generalizado depois de o Benfica ter perdido pela segunda vez consecutiva a final da Liga Europa com uma equipa… espanhola.

Em 2010, a Espanha eliminou Portugal do Campeonato do Mundo. Em 2012, fizeram o mesmo no Europeu. No mesmo ano, o Barcelona roubou ao Porto a Super Taça Europeia no Mónaco. Caso para rogar umas pragas aos nossos vizinhos?

Talvez não seja necessário. Até porque a vida não acaba no futebol. Fora das quatro linhas, há muitas áreas onde os espanhóis não nos vencem.

 

TO GO WITH AFP STORY IN FRENCH BY ANNE LE COZ --- Three bystanders look at a graffiti on the wall of a building of Bairro Alto, on August 15, 2008, a neighbourhood of Lisbon. Several well-known graffiti's artists painted the walls of this bohemian neighbourhood, creating an "Ephemeral Museum".   AFP PHOTO/ FRANCISCO LEONG (Photo credit should read FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images)

 

A cidade mais “cool” da Europa

Lisboa foi em 2013 a cidade mais “cool” da Europa. Lisboa e não Madrid. A autora do texto que elevou, no site da CNN, Lisboa a essa categoria começa por comparar a capital portuguesa e Madrid num dos atributos que, na sua opinião, tornam uma cidade “cool” – a vida noturna. Segundo Fiona Dunlop, a noite de Lisboa dura mais tempo do que a noite madrilena, chegando ao fim quando “o sol nasce sobre o rio Tejo”. As ruas pombalinas, as paredes de azulejo, os museus, o design, a comida e as praias a poucos quilómetros da cidade são outras das características diferenciadoras.

 

A bartender makes a coffee beverage at Viva Espresso cafeteria-bar in San Salvador, El Salvador on April 16, 2010. AFP PHOTO/ Jose CABEZAS (Photo credit should read Jose CABEZAS/AFP/Getty Images)

 

Café ímpar

O bloguer do jornal espanhol El País Paco Nadal escreveu em 2011 que só conhecia dois países do mundo onde se pode beber um café expresso perfeito: Portugal e Itália. Na entrada do blogue – “Porque é que o café sabe sempre bem em Portugal e aqui (Espanha) não?” – Paco Nadal considera que o café espanhol é um “líquido escuro sem creme ou cheiro” e que o pior café do mundo é o norte-americano. Em Portugal, escreve, quer estejamos “num café luxuoso do Chiado ou num lugar rural no meio do Alentejo, o café é servido como deve ser: numa chávena estreita e alta, com a quantidade certa de creme, acidez, e cheira a café e não a café queimado”.

General views of the Estadio Municipal de Braga on March 10, 2011 in Braga, Portugal.

Arquitetura premiada

Portugal conta com dois arquitetos na lista dos galardoados com o Prémio Pritzker, muitas vezes conhecido como o Nobel da arquitetura. Álvaro Siza Vieira ganhou o prémio em 1992 e Eduardo de Souto Moura em 2011. Há apenas um espanhol entre os melhores arquitetos do mundo. Trata-se de Rafael Moneo, distinguido em 1992.

French students work on the test of philosophy as they take the baccalaureat exam (high school graduation exam) on June 17, 2013 at the Arago high school in Paris. Some 664.709 candidates are registered for the 2013 session. The exam results will be announced on July 5, 2013. AFP PHOTO / FRED DUFOUR        (Photo credit should read FRED DUFOUR/AFP/Getty Images)

Melhores na educação

A média de resultados dos alunos portugueses é superior à dos alunos espanhóis na última edição dos testes PISA, um estudo da OCDE que avalia as capacidades dos estudantes de 15 anos nas áreas da matemática, ciências e leitura. Portugal fica à frente na matemática e na leitura e atrás nas ciências.

A man shouts slogans in front of a banner reading "A new 25th April is needed"  as he marches with other demonstrators in downtown Lisbon on April 25, 2012, during a demonstration to celebrate the 38th anniversary of the revolution day in Portugal. AFP PHOTO/ PATRICIA DE MELO MOREIRA        (Photo credit should read PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/GettyImages)

Democracia mais cedo

Depois do 25 de abril de 1974, Portugal entrou num período de transição democrática que ficou completo com as eleições de 1976 que elegeram Ramalho Eanes como presidente da República e Mário Soares como primeiro-ministro. Em Espanha é mais difícil definir quando terminou essa transição, apontando-se, geralmente, duas datas: dezembro de 1978, quando entrou em vigor a nova Constituição e outubro de 1982, quando o PSOE venceu as eleições com maioria absoluta. Seja como for, a democracia chegou a Espanha depois de ter chegado a Portugal e alguns teóricos estudiosos das democracias, como Samuel Huntington defendem que a revolução dos cravos deu origem a uma terceira vaga de democratizações que se alastrou ao sul da Europa, à América Latina e, depois do colapso da União Soviética, aos países da Europa de Leste.

 

São tudo razões para sorrir. Já pode levantar a cabeça, mas ainda assim é melhor preparar-se. Até porque vem já aí o Mundial do Brasil.