Arena de São Paulo, Estádio Itaquera ou Arena do Corinthians. Quem andar à caça do estádio que, em São Paulo, acolherá o primeiro encontro do Mundial 2014, a 12 de junho, tem de erguer o sobrolho e desconfiar das indicações que a cidade lhe der – o nome dado ao recinto varia conforme o sítio onde surge identificado.

Quem já tiver os bilhetes na mão lê que o Brasil x Croácia, partida inaugural da prova, se realizará no Arena de São Paulo – nome oficialmente adotado pela FIFA. Se o adepto andar nas ruas à procura de indicações para o estádio, contudo, as placas de trânsito vão apontar-lhe o caminho para o Estádio Itaquera (ou Itaquera Stadium, na versão turística).

Neste caso, escreve esta quinta-feira o “Globo Esporte”, a culpa é da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Isto porque as normas da entidade, que gere o trânsito em São Paulo, ditam que qualquer infra-estrutura deve ser identificada com o nome da área onde se localiza. E como o recinto está no distrito de Itaquera, na zona leste da cidade, o apelido ficou.

Depois, há as denominações que já se vêem no interior de algumas estações do metro de São Paulo. Na linha vermelha, por exemplo, adianta o “Folha de São Paulo”, o estádio é identificado como Arena do Corinthians –  clube que, no domingo, vai estrear o estádio numa partida oficial, contra o Figueirense, para o campeonato brasileiro.

FIFA deu aval a tudo

As três denominações distintas, aliás, devem ser mantidas durante o Mundial. O “Folha de São Paulo” questionou tanto a CET, como o Metro de São Paulo, e ambas as entidades defendem que a FIFA as autorizou a utilizarem os nomes com que batizaram os recintos.

Além do Brasil x Croácia, a 12 de junho, o estádio de São Paulo recebe também o Uruguai x Inglaterra (19 de junho), o Holanda x Chile (23 de junho) e o Coreia do Sul x Bélgica (26 de junho), todos para a fase de grupos. Depois, acolherá ainda um encontro nos oitavos de final e outro nas meias-finais.

O CET até se justificou, alegando que “a comunicação visual” das placas de trânsito, escreve a publicação, “faz referência direta” ao Mundial 2014.

De resto, o Corinthians também não ajuda. O clube é o proprietário do estádio e ainda não fechou as negociações para a venda dos naming rights – para colocar o nome de uma empresa ou patrocinador na designação oficial do recinto.