Dois bilhetes para a Liga Europa, um 4.º e 5.º lugares e três anos de experiência a treinar. Esta é uma parte da bagagem com que Marco Silva chega ao Sporting. A outra fica no Estoril, mas está à vista. Aos 36 anos (faz 37 em julho), o homem que os leões apresentaram esta quarta-feira como novo treinador da equipa principal usou a prestação no clube da Linha de Cascais para saltar rumo a um grande. E que bem foi montando este trampolim.

Quando teve de escolher um novo treinador para o Estoril, o presidente Tiago Ribeiro percebeu que já “tinha uma pessoa à frente, dentro de casa”, com a “capacidade de liderança e inteligência” necessárias. Era Marco Silva.

Em 2010/11, uma lesão obrigava-o a sentar-se. O corpo não deixava mais e disse a Marco Silva que as correrias no relvado tinham de parar. Dito e feito. Aos 32 anos, o fim. Na última de cinco épocas a jogar no Estoril, o defesa aparecera em três jogos (e convocado apenas para 13). Fim. À despedida seguiu-se logo um convite – o Estoril precisava de alguém que pensasse em tudo. Jogadores, estágios, contratações, locais de treino e por aí fora. “Vi no Marco uma capacidade de liderança e inteligência acima do normal”, justificaria mais tarde Tiago Ribeiro, presidente do Estoril.

Ou seja, o clube convidava-o para ser diretor-desportivo.

Sim. Marco Silva aceitou o desafio e 2011/12 arrancou com ele de fato e gravata e já sem chuteiras nos pés. Não durou muito tempo. Ao fim de quatro meses de experiência as coisas não corriam bem. À 5.ª jornada, Vinícius Eutrópio – o então treinador do Estoril – tinha plantada no 10.º lugar uma equipa que fora construída para escalar até ao topo e saltar, na época seguinte, para a primeira liga. “Ninguém estava contente, nem eu naturalmente, pois tive uma responsabilidade muito grande a montar aquele plantel”, confessaria Marco Silva.

Talvez por isso volta a dizer que sim. O clube convida-o a pegar na equipa e, a 2 de outubro, até se estreia com uma derrota (3-1, em casa do Penafiel). Aí o filme piora. A equipa cai para 14.º e fica mais perto da despromoção do que da ascensão. Contudo, havia uma razão – colocava a história mais a jeito de um volta-face típico de qualquer blockbuster de Hollywood. A partir daí o Estoril só perde mais três jogos na segunda liga, é campeão e termina a época em festa. Olá primeira liga, este é o Marco Silva.

Sempre a subir

O treinador devolve o Estoril ao terraço do futebol português e lá chega para ser o técnico mais jovem do campeonato (35 anos). “Dizer que esperava tudo isto era um otimismo exagerado”, admite à Antena 1. Volta a começar uma aventura com uma derrota (2-1, em Olhão) e daí entra numa rota que, ao fim de 30 jornadas, deixa a equipa no 5.º lugar. À época de estreia na liga, Marco Silva arromba as portas da Europa.

“Sinto-me preparado para treinar a outro nível. Não faço planos. Não tem de ser amanhã ou daqui a um ano, ou dois. É quando as pessoas entenderem que é o momento certo”, revelou Marco Silva, em maio de 2013.

E fá-lo metendo a equipa ao seu jeito. “Gosto de jogar o jogo pelo jogo, sem linhas muito recuadas, que assuma o jogo e pressione alto. Ao ataque e sempre mantendo o equilíbrio”, resume, em maio de 2013, ao MaisFutebol. Não é difícil caçar as provas que atestem o que se costuma apelidar de filosofia de jogo – basta olhar para o que o Estoril fez em 2012/13. Em suma, bateu o pé a todos.

A equipa teve sempre muita bola e tentou reclamá-la de volta aos seus pés quando não a tinha. Logo no meio campo adversário. Da mesma maneira que pressionava o Olhanense, fazia-o contra o Benfica. Depois atacava rápido, com passes pela relva e muitos jogadores a trocarem de posições. Com tanto risco e vontade, só podiam ir aparecendo surpresas – à 5.ª jornada empata (2-2) em Alvalade com Sporting, vence-o (3-1) depois em casa, à 20.ª, e vai à Luz empatar (1-1) na penúltima jornada. “Sinto-me preparado para treinar a outro nível”, atira, mal termina o campeonato. “Não tem que ser amanhã ou daqui a um ano, ou dois. É quando as pessoas entenderem que é o momento certo”, explicava.

Um ano à espera

Só teve de aguardar mais uma época. Enquanto esperou, a escada dos desafios deu-lhe mais dois degraus para subir. No campeonato, a tarefa (assumida ou não) era puxar outra vez a equipa para os lugares europeus – enquanto, pela primeira vez, o Estoril lidava com as demandas da Liga Europa a meio da semana. Só havia um problema: os degraus eram feitos de madeira frágil e acabada de restaurar.

Marco Silva começa 2013/14 sem Steven Vitória (Benfica), Jefferson (Sporting), Carlos Eduardo e Licá (ambos para o Porto). “Também é muito importante valorizar os meus jogadores”, sublinhou, após conseguir o mesmo que Leonardo Jardim alcançou esta temporada nos leões. Mostrou jogadores, fê-los brilhar e ficou sem estes quatro que muito lhe deram no Estoril.

Pouco importa. Ou importou.

A 1 de agosto o Estoril começa a competir e o início matutino compensou. A equipa atinge a fase de grupos da Liga Europa, que termina na última posição (com três empates). Mais do que uma participação, foi uma experiência – sobretudo para testar como Marco Silva habituaria uma equipa a dividir a semana por duas atenções – a portuguesa e a europeia. Algo que terá de fazer no Sporting. “Estes jogos [europeus] desgastam muito, mas também nos deram mais competitividade na liga”, garantia. Viu-se.

Marco Silva fecha a época com sete pontos roubados aos grandes. Ganha no Dragão e não perde qualquer encontro frente ao Sporting.

Após sair da Liga Europa (12 de dezembro), o Estoril de Marco Silva só perde quatro encontros – dois no campeonato – até ao final da temporada. Pelo meio visita o Estádio do Dragão e sai do Porto com uma vitória (0-1). No duelo privado com Leonardo Jardim, acaba a época à sua frente (1-1 no António Coimbra da Mota e vitória por 1-0 na última jornada, em Alvalade). Com o Benfica perde ambos os jogos, por 2-1. Tudo somado e contado, o Estoril fica no 4.º lugar e apenas sofre mais um golo (26) do que os dragões, por exemplo.

Um adeus para ir buscar um olá

Um dia após fechar o campeonato com a vitória em Alvalade, a despedida. Nove anos de Estoril (de 2005 a 2014) acabam com Marco Silva a sentir o clube como “uma família”. Nos canarinhos, diz, deixa jogadores que “são um conjunto de homens que sabe colocar o interesse de todos à frente do interesse de cada um”.

Nos ciclos e na vida que é feita deles encontra a desculpa para sair do Estoril. “O meu termina esta época”, conclui. Quando diz adeus, muito se dissera já sobre si – que o Porto o tinha na mira como homem do leme para uma época de recuperação, ou que era o preferido do Benfica caso Jorge Jesus também quisesse acabar um ciclo. Hoje confirma-se (ou não?) que nada fazia sentido.

Os três anos como treinador deram a Marco Silva 54 vitórias, 31 empates e 31 derrotas em 116 jogos sentado no banco de suplentes do Estoril. Segue-se agora mais um degrau. Ou melhor, um pulo. A escada dos desafios dá-lhe agora uma equipa que, na próxima época, tem garantida a presença na Liga dos Campeões. E agora sim, a luta pelo título como desejo.