A taxa de juro implícita no crédito à habitação voltou a subir pelo oitavo mês consecutivo, estacionando, em abril, em 1,465%, o que significa um aumento em 0,02 pontos percentuais em relação ao mês anterior, quando se tinha fixado em 1,445%, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE). Os contratos celebrados nos últimos três meses sofreram também um aumento de 0,097 pontos, em comparação com março, fixando a taxa implícita em 3,236%.

A taxa de juro para aquisição de habitação sofreu uma subida de 0,021 pontos percentuais. relativamente a março, situando-se em 1,480%. Em abril de 2013, estava em 1,458%. Relativamente aos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro sobe pelo terceiro mês consecutivo para 3,210%. Em janeiro, fixou-se em 2,957%.

Segundo o INE, a prestação mensal média vencida para a totalidade dos contratos fixou-se em 260 euros, mais um euro do que em março. Quanto aos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação desceu dez euros, estacionando agora nos 317 euros.

Já o valor do capital médio em dívida para todos os contratos de crédito à habitação é agora de 57.353 euros, o que representa um recuo face a março, quando se situava em 57.481 euros. Nos contratos celebrados a três meses verificou-se também uma redução em cerca de três mil euros: de 77.854 para 74.552.