O fim de semana dedicado às tiras cómicas que a leiloeira francesa Artcurial, em Paris, tinha planeado já deu frutos, lê-se no Le Monde. Este sábado foi batido o recorde mundial de venda de uma banda desenhada – um desenho de Tintin rendeu mais de 2,5 milhões de euros, cerca de três vezes mais do que inicialmente previsto (700 a 900 mil euros).

Recorde Tintin

Folha de rosto a tinta da China, de 1937 – Artcurial

As duas páginas, desenhadas a tinta da China, foram criadas por Hergé, em 1937, para servir de folha de rosto aos álbuns do Tintin editados entre 1937 e 1958. Do mesmo autor era também o recorde anterior: a capa do álbum Tintin na América, de 1932, vendido por 1,3 milhões de euros em 2102.

O primeiro dia de leilão foi totalmente dedicado ao autor Hergé, informou a leiloeira em comunicado. Além do recordista de vendas – o desenho a tinta da China com 34 situações diferentes do Tintin e Milou -, o catálogo incluía uma capa de 1942 de A Ilha Negra (venda estimada entre 600 e 800 mil euros) e desenhos de 1940 do álbum O Caranguejo das Pinças de Ouro (venda estimada entre 80 e 120 mil euros).

No domingo, as obras serão dedicadas ao século XX, do período pós-guerra até aos dias de hoje. Além de Hergé e Tintin, será possível encontrar Hugo Pratt e Corto Maltese, Jacques Tardi e Adèle Blanc-Sec ou André Juillard e Blake e Mortimer.