Rádio Observador

Mundo

Atriz transexual na capa da Time

Não foi eleita para a lista das 100 pessoas mais influentes da revista Time mas, em jeito de desculpa, a publicação deu a Laverne Cox, uma atriz transexual, o destaque merecido. Na capa.

A Time considera que a discussão sobre os transgéneros será a próxima fronteira dos direitos civis nos Estados Unidos

Autor
  • Ana Castanho

Todos os anos a revista Time publica uma lista das 100 pessoas mais influentes do mundo. Este ano, entre os vários nomes que estavam disponíveis para votação, estava o de Laverne Cox, a atriz transexual que participa na série Orange Is The New Black (OITNB). Quando a votação fechou, Laverne ficou de fora de lista, o que gerou, nas redes sociais, uma onda de protesto contra a publicação norte-americana. Em jeito de desculpa, a Time decidiu dar-lhe o que muita gente quer mas não pode ter: um lugar na capa.

Para a Time, da mesma maneira que a questão da discriminação racial eclodiu nos EUA na década de 50 e a luta pelos direitos dos homossexuais se tornou um debate central nos últimos anos, a discussão sobre os transgéneros será a próxima fronteira dos direitos civis nos Estados Unidos. E não só. Depois de a Austrália e a Índia terem reconhecido legalmente o terceiro sexo, a Alemanha aprovou uma lei que cria o terceiro sexo para registo de recém-nascidos.

Na entrevista que deu à publicação, que irá para as bancas a 9 de junho, Larvene fala da sua infância no estado do Alabama, no sudeste dos Estados Unidos, bem como da percepção sobre as mudanças que têm vindo a ocorrer dentro da comunidade transgénero a nível de visibilidade e aceitação. Para a atriz, o acordar da sociedade norte-americana para a questão do terceiro sexo deu-se com a entrevista feita por Katie Couric, onde Larvene e Carmen Carrera, outra mulher transexual, criticaram a ignorância e insensibilidade dos media para o tema.

“Foi aí [depois da entrevista] que senti que as coisas realmente mudaram. Senti-me mesmo bem e pensei que nunca tinha ouvido ninguém falar realmente a sério sobre a taxa de homicídio na comunidade transexual e sobre a discriminação existente e sobre Islan Nettles, que foi morta simplesmente porque estava a andar na rua e era transexual”, disse Laverne à Time. Num vídeo que mostra os bastidores da produção fotográfica para a Time, Laverne comparou o tão desejado fim da violência contra a comunidade transexual a um movimento de justiça social, que deve dar atenção não apenas a problemas de discriminação racial, mas também a problemas de discriminação sexual.

A capa da Time demonstra que a afirmação do terceiro género será a grande questão sócio-política a marcar a agenda da luta pelos direitos civis e pela igualdade sexual. O contínuo sucesso deste movimento que, tal como Laverne explica na sua entrevista, ainda agora começou, deve-se a uma estratégia básica: visibilidade promove consciencialização. No entanto, ainda há muitas barreiras a ultrapassar já que, nos Estados Unidos, a comunidade transexual continua a ser um dos alvos preferenciais de bullying, violência e homicídio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)