Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Portugal estreou-se no Mundial com uma derrota contra a Alemanha. Por cá, a imprensa evidencia o óbvio: os quatro golos sofridos, a expulsão de Pepe e a lesão de Fábio Coentrão. A nível internacional, os jornais focam-se particularmente no resultado esmagador da partida e no jogador que marcou três dos quatro golos alemães, Thomas Müller.

Começando pela nossa vizinha Espanha: o El País escreve que a Alemanha destroçou Portugal e o diário madrileno As vai mais longe, dizendo mesmo que Thomas Müller matou Portugal. Para o desportivo Marca, o destaque também vai para Müller, o “rolo compressor” alemão. O francês L’Équipe recorreu a uma analogia aos quatro cantos de um quadrado para se referir ao póker de golos alemão e o France Football relembrou as vitórias da Alemanha em relação a Portugal em 2006, 2008 e 2012.

O britânico Guardian evidenciou o hattrick de Müller e a expulsão de Pepe. O Telegraph vai pelo mesmo caminho: Portugal capitulou graças ao alemão e ao defesa central da seleção nacional. O italiano La Gazzetta dello Sport considera que a prestação de Cristiano Ronaldo ficou aquém do que é habitual e que o sucesso alemão foi convincente. A Folha de São Paulo também destaca também a fraca prestação do capitão da seleção nacional.

Para os alemães, o início do campeonato do mundo de futebol não podia ter corrido melhor. O Der Spiegel considera a estreia da seleção germânico um sonho, e o diário Bild joga com as rimas em alemão para elogiar Müller. Traduzido, o título fica algo do género: três golos de Müller, tu és o maior.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR