Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rafael segura na mão um pequeno pedaço de cartolina vermelho recortado em forma de coração. “Ela está sentada ali, ao lado da coluna.” A indicação é escutada com atenção e quem recebe o papel pergunta, olhando discretamente para o local, qual é a pessoa ao certo.

Luciana começa a contar que escreveu: “Oi moço alto e bonito.” E acrescentou o número de telefone.

Percebendo a minha expressão de quem claramente não está a perceber o que se está a passar, os dois explicam – “É correio elegante!”

“E isso é o quê mesmo?”

Vem a explicação: “É uma tradição daqui. Nas festas juninas, que acontecem em junho, a gente envia mensagens. É tradicional de festas populares. Você acha alguém bonito? Paga um real e envia um coração.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O pátio da quadra 201 Norte está cheio de gente. Há várias bancas de venda de bebidas, pipocas, há bandeirolas e uma fogueira. E há, claro, o “correio elegante”. Aqui, em Brasília, há festa de S. João (festas juninas), mesmo no dia (24), à noite. Esta é organizada pelo Balaio café, um local que costuma apostar numa oferta cultural alternativa de música ao vivo e documentários. É muito frequentado por pessoas ligadas ao movimento LGBT e a movimentos sociais.

Tatiana é a “entregadora” dos corações de cartolina. “Sou amiga da dona do bar, já é o segundo ano que faço isto, é para me divertir.” A psicóloga já entregou 22 corações vermelhos esta noite e garante que por vezes o sistema funciona mesmo. “Já presenciei a dar certo hoje. Ela mandou um correio e ele pediu para ela se identificar. Aí levei ela para falar e eles ficaram. Me divirto muito com as reacções.”

O “Oi, e aí gatinha?”, mais o número de telefone, que Rafael enviou demora a surtir o efeito desejado. “Talvez não devesse ter colocado o número de telefone, né?”, comenta a rir. Mais sorte está a ter um rapaz que veste uma t-shirt da Colômbia, ali bem perto de nós. “Aquele cara ali é o que está tendo mais sucesso”, diz Tatiana apontado com os olhos, “já recebeu muitos!” Ao olharmos Luciana desata a rir, é o “moço alto e bonito” para quem ela enviou um coração.

Simon é francês, mas como um amigo colombiano veio visitá-lo a Brasília, enverga a camisola dos “cafetones”. Está a estudar engenharia civil na Universidade de Brasília há alguns meses, mas o português está longe de ser bom. Ainda assim dá para nos entendermos minimamente e Simon dizer que “não conhece esta tradição”, e encolher os ombros ao explicar que nem tem telemóvel brasileiro e por isso não está a apontar os números que lhe têm chegado às mãos.

Ao saber os pormenores, Luciana compra outro coração de cartolina. “Aí bonito, está sozinho? :)”. Comenta com o amigo – “esse da Alemanha, de chapéu, é bem bonito” – paga mais um real, e pede a Tatiana para entregar. 

Os minutos passam, a festa continua, mas respostas… Zero. Luciana e Rafael vão embora. Ainda assim, a sorrir.