As 12 cidades-sede do Mundial 2014 de futebol registaram temperaturas acima de 30 graus Celsius em seis das 52 partidas disputadas até domingo, uma delas a de Portugal contra os Estados Unidos, a 22 de junho, em Manaus. No apito inicial dessa partida, que começou às 18h00 horas locais (23h00 em Lisboa), a temperatura era de 29,9 graus em Manaus, mas subiu até 30,6 no decorrer do primeiro tempo, com humidade de 69%, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia do Brasil (Inmet), que elabora diariamente as previsões do tempo para a Comissão Organizadora do Mundial e para a FIFA.

No confronto entre Portugal e Estados Unidos (2-2) não foi obrigatória a pausa para hidratação, exigida pela Justiça a partir dos 32 graus. Entretanto, o árbitro aproveitou uma paragem do jogo, devido à lesão de um futebolista, para permitir que os atletas bebessem água. O levantamento feito pela agência Lusa foi baseado nas estações automáticas do Inmet em cada cidade-sede, que registam a temperatura e a humidade do ar de hora em hora. No caso de mais de um ponto de medição por cidade, foi considerado o mais próximo ao estádio.

As temperaturas confortáveis para o ser humano variam entre 15 e 30° graus, dependendo da humidade, mas podem estender-se até 33 graus com vento, segundo escala do Inmet. A grande maioria das partidas já disputadas do Mundial 2014, ou 42 entre os 52 jogos, começaram com temperaturas entre 20 e 30 graus. Apenas quatro delas registaram menos de 20, sendo a mais fria em Curitiba, sul do Brasil, com 12,2°.

As altas temperaturas aumentam o cansaço, mas, quando chegam a um nível crítico, podem ocasionar a degeneração de enzimas e proteínas, até levarem à perda de consciência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O médico Tiago Lazzaretti Fernandes, do Hospital das Clínicas (HC), vinculado à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, afirmou que não houve temperaturas críticas durante o Mundial 2014, mas que o conforto térmico varia entre os atletas. “Não houve nenhuma temperatura anormal ou crítica nas condições da Copa [Mundial 2014]. No verão europeu há cenários piores”, disse à Lusa Lazzaretti Fernandes, que trabalha no grupo de Medicina do Desporto do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do HC.

Já o conforto térmico, segundo o médico, não se vincula apenas à temperatura do corpo do atleta, mas sim à sua sensação de calor. Quando o futebolista se sente mais confortável, pode ocorrer um ganho de rendimento. “As duas equipas sofrem o mesmo tipo de ação externa. Falar que esse fator é determinante [para determinar o vencedor], é um exagero”, disse Lazzaretti Fernandes, realçando que futebolistas da América do Sul e da África atuam em equipas europeias.

O médico explicou que as altas temperaturas aumentam o cansaço, mas, quando chegam a um nível crítico, podem ocasionar a degeneração de enzimas e proteínas, até levarem à perda de consciência, devido ao aquecimento central do corpo e do cérebro. A alta humidade combinada com a alta temperatura piora o cenário. “Trocamos muita humidade com o ambiente quando fazemos exercícios e o calor é eliminado pela transpiração. Mas a sua perda não é tão efetiva quando há muito líquido fora do corpo”, afirmou.