Pelo menos três pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em atentados à bomba no sul da Tailândia, no âmbito de um conflito separatista que já causou a morte de cerca de 6.000 pessoas desde 2004, informa hoje a imprensa local.

Uma bomba explodiu na sexta-feira em frente a um hotel de uma cidade da província de Yala, causando a morte de duas pessoas e ferimentos noutras 34, segundo o diário The Nation.

Um soldado morreu e outras três pessoas ficaram feridas noutro atentado com explosivos na província de Narathiwat.

Na província de Pattani, um homem morreu atingido a tiro por desconhecidos, sendo que neste caso as autoridades não confirmam tratar-se de um ataque perpetrado por rebeldes muçulmanos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os atentados com armas, homicídios e ataques com explosivos nas províncias de Pattani, Narathiwat e Yala sucedem-se a um ritmo quase diário, apesar dos cerca de 40.000 efetivos das forças de segurança na região.

Os rebeldes denunciam ser alvo de discriminação por parte da maioria budista do país e reivindicam a criação de um Estado islâmico que integre as três províncias, que formam o antigo sultanato de Patani, anexado pela Tailândia há um século.