O governador do Banco Central Argentino, Juan Carlos Fabrega, demitiu-se esta quarta-feira depois de menos de um ano no cargo. A agência noticiosa France-Presse adianta que a demissão foi confirmada pelo porta-voz da Presidência, Alfredo Scoccimarro. Esta acontece numa altura de grande crise económica na Argentina, que entrou em incumprimento pela segunda vez em 13 anos.

Na terça-feira, a Justiça norte-americana reafirmou que a Argentina agiu ilegalmente ao se ter recusado a pagar as dívidas aos fundos de investimento que emprestaram dinheiro ao país antes da sua falência em 2001. O Governo de Buenos Aires tem estado envolvido numa batalha jurídica com os seus credores, que recusaram as reestruturações da dívida. O país tinha sido condenado nos Estados Unidos a pagar a dívida de cerca de mil milhões de euros, mas recusou-se a fazê-lo. Com esta condenação, a Argentina incorre agora numa multa de cerca de 40 mil euros por dia.

Também na terça-feira, a presidente Cristina Kirchner disse na televisão que os interesses norte-americanos têm feito cair o valor do Peso e que os funcionários do Banco Central têm ajudado os banqueiros locais a especular contra a moeda argentina, na esperança de obrigarem o governo a desvalorizá-la.

De acordo com o Wall Street Journal, o sucessor de Fabrega já foi escolhido e será Alejandro Vanoli.