O nadador norte-americano Michael Phelps decidiu fazer uma pausa na carreira para, diz o próprio, ingressar num programa de tratamento. Na terça-feira passada, o nadador olímpico foi detido, pela segunda vez, a conduzir sob o efeito de álcool.

A natação é uma parte enorme da minha vida, mas neste momento preciso de focar a minha atenção em mim…

… e fazer o trabalho necessário para aprender desta experiência e tomar melhores decisões no futuro, escreveu Phelps no seu Twitter, onde fez uma série de publicações sobre o assunto.

Na terça-feira passada, Phelps, que tem 18 medalhas olímpicas no seu currículo, foi apanhado a conduzir com 0,14 gramas/L de álcool no sangue, quase o dobro do que é permitido no estado de Maryland, onde se deu o delito (0,08 gramas). Foi a segunda vez que o atleta foi apanhado numa situação destas: a primeira tinha sido em 2004, quando Phelps tinha 19 anos e tinha acabado de ganhar seis medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas.

“Eu compreendo a gravidade das minhas ações e assumo a plena responsabilidade. Sei que essas palavras podem não significar muito agora, mas estou profundamente sentido para todos quantos desiludi”, afirmou Michael Phelps em comunicado depois de ter sido detido. O nadador será presente a tribunal no início de novembro, enfrentando uma pena que pode ir de uma coima de mil dólares a uma cassação da carta de condução e um ano na prisão.

Além da condução sob o efeito de álcool, Phelps foi também fotografado uma vez, em 2008, a fumar de um cachimbo de cannabis. Na altura, o nadador mostrou-se arrependido do seu comportamento, mas isso não o impediu de ser suspenso da modalidade durante três meses, perdendo igualmente diversos patrocinadores. Para já, a federação norte-americana de natação não tomou a mesma medida, mas apelidou o sucedido como um incidente “inquestionavelmente sério”.