Rádio Observador

Espaço

Divulgar o espaço em livro, mas com muitas imagens

187

Quatro escolhas, de quatro portugueses ligados à astronomia pela via científica ou pela via da divulgação. Mais letras ou mais fotografias, a escolha é sua.

A Lua motivou um livro de Júlio Verne

@ Miguel Claro

O fascínio pelo espaço, ou pelo menos pelas estrelas e pelo céu noturno, é praticamente tão antigo como a própria humanidade. Já a exploração espacial e a chegada do homem à Lua são bem mais recentes. Mesmo assim, esta última foi antecipada por Júlio Verne no livro “Da Terra à Lua”, escrito em 1865. Apesar de algumas impossibilidades científicas, não deixa de ser um livro visionário, mas as escolhas dos portugueses ligados à astronomia recaem sobretudo sobre livros de divulgação científica.

Cosmos, Carl Sagan, 1980
Será provavelmente um dos livros de divulgação de ciência mais populares. O astrónomo norte-americano Carl Sagan pretendia explicar de forma simplificada temas complexos da ciência, em particular da astronomia e astrofísica. Nuno Santos, astrofísica da Universidade do Porto refere a “importância que teve (e ainda tem) para arrastar toda uma geração de jovens para a ciência”, incluindo a ele próprio. O sucesso da divulgação do tema revelou-se ainda maior com o lançamento da série em 13 episódios baseada nos 13 capítulos ilustrados do livro.

cropped-Carl-Sagan_NASA-JPL

Carl Sagan (de casaco bege), astrónomo e divulgador de ciência – NASA

Um Pouco Mais de Azul: A Evolução Cósmica, Hubert Reeves, 1981
Mais um clássico da divulgação científica que “mostra como a ciência pode ser atraente sem perder o seu rigor”, nota Carlos Fiolhais, físico na Universidade de Coimbra. “Um pouco mais de azul”, frase tirada de uma obra de Mário de Sá Carneiro para nomear o livro “Patience dans l’azur : l’évolution cosmique” (na edição original), “é bastante feliz por fazer jus ao conteúdo poético do livro”, considera o divulgador de ciência. “Reeves, astrofísico de origem canadiana, é um ‘poeta’ do universo. Sabe escutar os seus ‘sons’ e reparar nas suas ‘cores’ como poucos. Este é um livro destinado a despertar vocações.” O físico aproveita para sugerir a leitura da restante obra de Hubert Reeves, em particular “Onde cresce o perigo surge também a salvação”.

Astronomica, Fred Watson, 2008
Uma imagem vale mais que mil palavras. Frase batida, mas que no que toca ao espaço, se não for verdade, anda lá perto. São as imagens incríveis de estrelas, planetas ou cometas que encantam profissionais e amadores e que tornam o livro “Astronomica” um livro tão relevante. Além de incluir “576 páginas ricamente ilustradas por imagens a cores” tem uma linguagem muito acessível. “Acessível mas não trivial. De leitura fácil é um bom livro para a leitura entre os mais velhos e os mais novos”, diz Vasco Teixeira, divulgador de ciência no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em Lisboa. O livro alia a divulgação de astronomia à componente enciclopédica, o poder de “prender o aficionado e de surpreender todos aqueles que ainda não se maravilharam com a beleza e com a ciência do Espaço”.

Astrofotografia – Imagens à Luz das estrelas, Miguel Claro, 2012
Prefere ver imagens tiradas por outros ou tirar as próprias fotografias do espaço, ou pelo menos dos astros visíveis a partir da Terra? Miguel Claro, astrofotógrafo, sugere o próprio livro para quem escolha a segunda opção. “Não por ter sido escrito por mim, mas pela importância que pode ter para alguém como eu. Quando comecei senti a necessidade de ter algumas luzes sobre o tema, mas há 17 anos não existia nenhum livro dedicado à astrofotografia em português.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)