Rádio Observador

Seguradoras

Fidelidade ganhou 30 milhões de dólares na oferta da Alibaba

Uma mais-valia de 30 milhões de dólares na oferta em bolsa da Alibaba é o exemplo dos novos negócios que os acionistas chineses trouxeram à Fidelidade.

Jorge Magalhães Correia: "Sem a Fosun não seria possível estar no radar destes investimentos"

© Hugo Amaral/Observador

A Fidelidade ganhou 30 milhões de dólares [21,7 milhões de euros] ao vender ações da Alibaba uma hora depois de ter comprado os títulos na oferta inicial em bolsa do gigante chinês de vendas online.

O exemplo foi dado hoje pelo presidente da seguradora portuguesa, Jorge Magalhães Correia, na assembleia geral da Aese Business School, realizada em Cascais, para ilustrar as vantagens que o novo acionista chinês trouxe à Fidelidade. “Sem a Fosun não seria possível estar no radar destes investimentos”, sublinhou o presidente da seguradora num painel dedicado ao exemplo da Fidelidade no panorama do investimento estrangeiro em Portugal numa conferência que teve como tema “Portugal e o Mundo”, roteiros para o crescimento.

A entrada do novo acionista, concretizada este ano, permitiu à Fidelidade voltar a pensar em crescimento depois dos anos de intervenção e restrições que afetaram o anterior dono, a Caixa Geral de Depósitos. A seguradora ganhou autonomia estratégica para fazer aquisições, dentro e fora de Portugal.

Com um ativo de 12 mil milhões de euros, a Fidelidade assegura uma importante almofada de capital para investir. Mas até há pouco tempo, a maioria desses recursos estavam concentrados na União Europeia e em particular em Portugal. A estratégia passa agora por diversificar o portfólio para novos mercados e setores. África, onde a Fidelidade já está, e China, estão no horizonte.

A compra da Espírito Santo Saúde é um exemplo da nova estratégia, mas o facto de falar com muita gente não quer dizer que a Fidelidade e a Fosun estão interessadas em “comprar, mas sim em analisar oportunidades de investimento”, avisou Jorge Magalhães Correia. Sem referir o interesse no Novo Banco, noticiado está semana, o presidente da Fidelidade referiu contudo que a empresa está a tentar concretizar outros negócios em Portugal.

“Nós, os chineses vemos oportunidades nas crises”

Minutos antes, o diretor da divisão europeia da Fosun, Xu Lingiang, explicou o que é que atraiu os investidores chineses, e em particular, a Fosun, em Portugal. A empresa privada chinesa ficou impressionada pelo esforço do Governo e das empresas portuguesas para superar as dificuldades e abrir o mercado ao capital estrangeiro.

“Nós, os chineses vemos oportunidades nas crises”, realçou Lingiang. A estratégia de expansão e compras da Fosun respondeu às oportunidades do mercado português. Apesar de esperar que o investimento chinês ajude a fortalecer a economia, o gestor da Fosun sublinha que a empresa vê Portugal como uma plataforma potencial para investir outras áreas, como Brasil e Angola.

A iniciar o painel, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, traçou um cenário mais dramático para Portugal se não conseguir superar a atual crise.

“Se não for possível resolver os nossos problemas nos próximos anos, o país entra num beco sem saída” que pode até levar a uma mudança de regime. Para o atual presidente do Banif, a captação do investimento estrangeiro é vital para resolver os problemas de financiamento da economia portuguesa, que foram recentemente agravados por “acidentes perturbadores no sistema financeiro”, numa alusão ao colapso do BES. Para Amado, a manutenção do quadro atual de dificuldades pode conduzir o “país a uma rotura social e política”.

O ex-governante defendeu que o país e as empresas portuguesas devem tirar partido do rasto histórico da relação entre Portugal e a China que remonta a 500 anos, o que aliás já é visível no processo rápido de investimento chinês em empresas nacionais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)