O executivo de Bruxelas liderado por Jean-Claude Juncker tem caminho aberto para assumir a liderança da Comissão Europeia, depois de os deputados do Parlamento Europeu terem aprovado nesta terça-feira os dois comissários que ainda não tinham sido confirmados. A votação plenária acontece na quarta-feira e, segundo a Reuters, deverá formalizar a “luz verde” para que a Comissão Juncker assuma o cargo a 1 de novembro, como planeado.

Violeta Bulc, uma nomeada eslovena que substituiu a antiga primeira-ministra do país, Alenka Bratusek, que foi recusada pelos deputados em Estrasburgo, vai assumir o cargo de comissária dos Transportes. E o eslovaco Maroš Šefčovič recebeu a aprovação do Parlamento Europeu para se tornar vice-presidente com a pasta da união energética, um cargo para o qual fora apontada, originalmente, Alenka Bratusek.

Quanto aos principais cargos, há acordo político entre as principais famílias europeias – Partido Popular Europeu (PPE) e Partido Socialista Europeu (PSE) – para aprovar a nova Comissão já que os socialistas conseguiram ficar com pastas como os Assuntos Económicos, que vai para Pierre Moscovici, ex-ministro francês, ou Frans Timmermans, holandês que para além de vice-presidente, tem a responsabilidade da coordenação da Regulação.

Jean-Claude Juncker tem, assim, caminho aberto para substituir José Manuel Durão Barroso como presidente da Comissão Europeia no calendário previsto. A Comissão deverá tomar posse a 1 de novembro, terminando nessa altura o mandato de 10 anos de Barroso à frente desta instituição.