O tempo está quase a chegar ao fim para cerca de 350 mil consumidores de eletricidade. A tarifa transitória para os clientes domésticos com uma potência contratada superior a 10 kVA termina no final deste ano. Isto significa que estes consumidores domésticos terão de fechar um contrato com uma elétrica em regime de mercado nos próximos dois meses.

Segundo o relatório da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), os consumidores com potência superior a 10 kVA representavam ainda 12% do número total de clientes do serviço universal que estava na tarifa regulada. O regulador alertava para uma maior urgência na mudança de comercializador para estes clientes. Este perfil de consumo está associado a vivendas ou a pequenos negócios.

Governo deve adiar prazos para extinguir tarifas

Para a maioria dos domésticos, a tarifa regulada termina no final de 2015, mas para estes grandes consumidores o prazo acaba mais cedo. Caso o número dos resistentes se mantenha elevado, o cenário mais provável é o adiamento do prazo para a eliminação das tarifas reguladas neste segmento. No passado tem sido essa a opção do governo que adiou algumas vezes a data para a extinção das tarifas reguladas no segmento das empresas.

No final de Setembro havia ainda quase 2,9 milhões de clientes no sistema público. Este número tem vindo a cair todos os meses, mas a um ritmo mais brando. No último mês saíram para o mercado liberalizado, negociando um contrato com uma elétrica cerca de 100 mil consumidores.

As tarifas fixadas pela ERSE só irão manter-se para os consumidores economicamente vulneráveis. O governo aprovou recentemente as regras que permitem estender a tarifa social a 500 mil famílias, para quem os preços vão cair 14% no próximo ano. Para os restantes, o aumento proposto é de 3,3%.

O relatório do mercado liberalizado da eletricidade da ERSE revela a entrada de um novo operador, a Goldenergy que conquistou 26 mil clientes, assumindo o lugar de sexta principal fornecedora. A Goldenergy, detida pela distribuidora Dourogás, é já um dos players mais fortes no mercado doméstico do gás natural. O mercado liberalizado passou a ter nove fornecedoras. A EDP Comercial mantém a liderança em consumos e número de clientes, embora tenha reduzido ligeiramente a sua quota.