Isabel II

Família real inglesa de luto pelas vítimas das grandes guerras

164

As celebrações da manhã de domingo mostraram a família real solene e vestida de luto. Rainha Isabel II foi aplaudida de forma entusiasmada por não ter faltado à cerimónia, apesar da ameaça terrorista.

A família real inglesa participou na manhã deste domingo nas comemorações anuais que homenageiam as vítimas da Primeira e da Segunda Guerra Mundial, depositando coroas de papoilas no centro de Londres, junto ao monumento Cenotaph em Whitehall. Este ano, a cerimónia que assinala os 100 anos da Primeira Guerra Mundial e os 70 do dia D, foi ameaçada por conspirações terroristas que levaram a várias detenções de fundamentalistas muçulmanos, mas a rainha não faltou à cerimónia.

Embora esta cerimónia seja normalmente marcada pelo silêncio, um aplauso espontâneo da multidão que assistia às comemorações, lideradas pela rainha – ladeada pelos herdeiros do trono Carlos e William – marcou o seu encerramento. Temia-se que a família real não presidisse à cerimónia devido ao grau de alerta terrorista na capital britânica, mas as ameaças não demoveram a monarca de 88 anos.

Na tribuna ficou Kate Middleton, grávida de quatro meses, Camilla, mulher de Carlos e a princesa Sophie, mulher do príncipe Eduardo, filho da rainha. As três mulheres, tal como a rainha estavam vestidas de luto, apenas com uma ou várias papoilas ao peito – flor simbólica desta data. O príncipe Harry passou este dia no Afeganistão com as tropas britânicas que ainda estão no terreno.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)