Ela canta, dança e representa. Aos 21 anos, Ariana Grande é uma das cinco pessoas mais seguidas no Instagram, conta a Marie Clarie, com mais de 19 milhões de fãs. Nasceu na Flórida, nos Estados Unidos da América, com o nome Ariana Grande-Butera no seio de uma família abastada e com raízes italianas — o pai, Edward Butera, é o CEO de uma bem-sucedida empresa de design, Ibi Designs Inc., com sede em Boca Raton.

Com apenas 10 anos, Ariana assumiu o papel de cofundadora de um grupo de jovens cantores, Kids Who Care (“Crianças que se preocupam”, em português), o qual atuava em eventos com o objetivo de angariar dinheiro para instituições de caridade. Mas não foram só os dotes musicais que se revelaram em tenra idade, isto porque em 2008, quando ainda frequentava o liceu, recebeu o National Youth Theatre Association Award pelo papel de Charlotte no musical “13“. Foi o primeiro espetáculo na Broadway, escreve o britânico Metro. A aptidão para a representação subiu de tom e não demorou muito para que Ariana fizesse a transição do palco para a televisão.

Foi na Nickelodean TV que a artista vestiu a pele de Cat Valentine na série juvenil Victorious (seguiu-se o show Sam & Cat). O Business Insider escreve que já nessa altura, antes de ganhar um estatuto de estrela pop, Ariana Grande recebia bastante bem. No respetivo programa de televisão, no qual participou entre 2010 e 2013, recebeu 9.000 dólares (mais de 7.000 euros) por episódio na primeira temporada — ao todo, Ariana esteve presente em 57 episódios. Foi o site TMZ que descobriu o contrato da cantora, o qual determinava montantes adicionais por contribuições musicais, como 4,000 dólares (mais de 3.000 euros) por uma canção. Mas se durante o dia Ariana passava a maior parte do tempo em gravações para o pequeno ecrã, à noite a autora do hit “Problem” trabalhava no primeiro álbum.

O álbum de estreia, “Yours Truly“, tornou-se viral em vários cantos do globo e conseguiu um lugar confortável nas tabelas musicais, chegando, inclusive, ao pódio. O segundo trabalho discográfico foi batizado de “My Everything” e chegou às prateleiras do Reino Unido no final de agosto. Foi Scooter Braun, o mesmo homem que introduziu Justin Bieber na indústria da música, diz o britânico Metro, que ajudou a lançar Ariana Grande.

https://twitter.com/GlobalGrindStyl/status/511587792057810944

Saias curtas e saltos (muito) altos parecem fazer parte da imagem preferida da cantora, sem esquecer o rabo-de-cavalo alto sem o qual raramente se deixa fotografar — a exceção aconteceu nos MTV EMA no início de novembro. Na performance mais recente, nos Bambi Awards em Berlim, o estilo da pequena ganhou uma versão mais sexy, já elogiada pelo Daly Mail.

O look habitual parece funcionar, até porque a jovem artista tem sido referência na imprensa internacional. A Marie Claire deu-lhe a capa na edição de outubro e o mesmo fez a Instyle para o número de dezembro, revista que se refere à estela como “sensação pop”. Tal como o apelido parece prever, Ariana está em grande.