A quantidade de plástico que produzimos e consumimos diariamente é muito maior que a capacidade que temos de eliminar ou reciclar este tipo de material. Os plásticos presentes nos aparelhos eletrónicos são dos mais difíceis de reciclar e um dos atuais problemas relacionados com a gestão de resíduos. Uma equipa de investigadores da Universidade Estatal da Dakota do Norte, nos Estados Unidos, criou um tipo de plástico facilmente degradável e reutilizável, segundo a publicação na revista científica Angewandte Chemie International Edition.

A reciclagem dos plásticos parece ser a forma menos nociva para o ambiente, pelo menos quando comparada com a acumulação, a degradação lenta no ambiente ou a queima. Quando o plástico criado pela equipa norte-americana é exposto à radiação ultravioleta, com um comprimento de onda de 350 nanómetros – dentro dos limites da radiação solar -, as unidades que o compõe separam-se. Estas unidades baseiam-se em moléculas derivadas da frutose – um açúcar presente nas frutas – e em moléculas que podem absorver a luz, logo sensível à luz e à radiação.

O plástico fabricado degrada-se em apenas três horas e as unidades em solução, resultado da degradação, podem ser facilmente recolhidas e reutilizadas, explica a Science Magazine. Mas os investigadores precisam de testar outras propriedades dos plásticos, como dureza e durabilidade, antes de o poderem colocar no mercado. O site I Fucking Love Science lembra que este plástico pode não ter uma utilização alargada, porque se degrada quando exposto ao Sol, mas pode ser uma solução para equipamentos eletrónicos.