Robert Mugabe afastou a sua mais provável sucessora e vice-presidente do Zimbabwe, Joice Mujuru, por suspeitas de conspiração e preparação de um golpe para o tirar do poder depois de 34 anos de domínio sob o país. O ditador africano acusa a sua número dois de se encontrar com diplomatas norte-americanos para preparar a transição do país. Tanto Mujuru como oito ministros do governo receberam as suas cartas de exoneração na noite de segunda-feira.

Joice Mujuru já se veio defender publicamente, dizendo que está a ser acusada injustamente. “Eu sou a mosca na teia de mentiras cujo objetivo final é a destruição do ZANU-PF [partido de Mugabe e do qual a vice-presidente também fazia parte] e do que o partido significa e em última instância do atual governo”, escreveu a ex-braço direito de Mugabe em comunicado, segundo a Al-jazeera.

Majuru já tinha sido afastada do partido e diz agora que está a ser acusada de ser “uma traidora” por ter denunciado junto de outros membros do partido uma rede de políticos influentes que está a partir o ZANU-PF.

Há agora o perigo deste partido se desintegrar e muitas acusações estão a cair sobre a mulher de Mugabe, Grace. Alegadamente a primeira-dama não gostaria da influência que Majuru exercia sobre o seu marido e entretanto recebeu um lugar de relevo no ZANU-PF este fim de semana.