Os gémeos reais do Mónaco, Jacques e Gabriella, foram oficialmente apresentados esta manhã a partir do Palácio Grimaldi. O feito repete-se cinco décadas depois de Rainier e Grace posarem nas escadarias reais para apresentar o príncipe Alberto. Na cerimónia de quarta-feira estiveram presentes cerca de 3.000 pessoas  — a espanhola Vanitatis fala em “festa nacional”.

A multidão recebeu a dupla real com entusiasmo assim que Alberto e a princesa Charlene mostraram, à varanda do palácio, os recém-nascidos. Marido e mulher seguraram, cada um, nas crianças que estiveram a dormir durante toda a cerimónia. As preparações para a ocasião começaram um dia antes, com as ruas e os edifícios do principado a serem adornados com bandeiras e mensagens de congratulação. Feita a apresentação, o dia 7 de janeiro foi declarado feriado oficial.

Esta foi a primeira de muitas aparições públicas dos meninos que nasceram a 10 de dezembro no Princess Grace Hospital, em homenagem à falecida avó. No mesmo dia, a sua chegada foi anunciada com uma salva de 42 tiros de canhão, 21 por cada bebé. Apesar de a menina ter vindo ao mundo alguns minutos antes, o papel de herdeiro cabe ao irmão, uma vez que no pequeno principado a sucessão é masculina.

Aos 36 anos, Charlene, a antiga nadadora olímpica sul-africana que se transformou numa princesa, foi mãe pela primeira vez. O mesmo não se pode dizer do marido: Alberto tem dois filhos que, apesar de terem sido reconhecidos, não têm direito ao trono — Jazmin Grace Grimaldi, 22 anos e filha de uma norte-americana, e Alexandre Coste, 11 anos e fruto de um relacionamento com uma antiga hospedeira de bordo do Togo. Já desde o século XIII que não havia gémeos na família real.