O presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, participam no domingo, em Paris, na “marcha republicana” organizada depois dos atentados contra o jornal Charlie Hebdo e um supermercado ‘kosher’.

Abbas vai ser recebido pelo Presidente de França, François Hollande, antes da marcha, tal como vários outros chefes de Estado e de Governo, incluindo o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o casal real da Jordânia, acrescentou o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

“Benjamin Netanyahu, acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Avigdor Lieberman, participa na marcha republicana em homenagem das vítimas dos atentados terroristas, para manifestar o seu apoio ao povo francês e dirigentes”, de acordo com um comunicado oficial.

De acordo com a agência noticiosa francesa AFP, a “marcha republicana” promete reunir perto de um milhão de pessoas.

Desde quarta-feira, registaram-se três incidentes violentos na capital francesa, incluindo um sequestro, que, no total, fizeram 20 mortos e começaram com o ataque ao Charlie Hebdo.

Depois de dois dias em fuga, os dois suspeitos do ataque, os irmãos Said Kouachi e Cherif Kouachi, de 32 e 34 anos, foram mortos na sexta-feira, na sequência do ataque de forças de elite francesas a uma gráfica, em Dammartin-en-Goële, nos arredores da cidade, onde se tinham barricado.

Na quinta-feira, foi morta uma agente da polícia municipal, a sul de Paris, tendo a polícia estabelecido “uma ligação” entre os dois ‘jihadistas’ suspeitos do atentado ao Charlie Hebdo e o presumível assassino.

Na sexta-feira, ao fim da manhã, cinco pessoas foram mortas num supermercado ‘kosher’ (judaico) do leste de Paris, numa tomada de reféns, incluindo o autor do sequestro, que foi morto durante a operação policial.