À terceira foi de vez: o Falcon 9, foguetão da SpaceX que serve de propulsor da Dragon, a cápsula de reabastecimento da Estação Espacial Internacional (ISS — sigla em inglês) descolou no minuto previsto, 9h47 (hora de Lisboa).

A Dragon já vai a caminho da ISS, onde deverá chegar na segunda-feira. Transporta 2,28 toneladas de mantimentos (comida, água e roupa) e equipamento científico.

De acordo com a NASA, todas as fases do lançamento correram como previsto. Mas Elon Musk, o patrão da SpaceX, revelou pela conta do Twitter que o processo de aterragem na “jangada” não foi perfeito.

Ou seja, aterrou com força na plataforma e caiu. Ainda assim, um feito extraordinário. “Foi por pouco”, disse Elon Musk.

A plataforma flutuante, posicionada ao largo da Flórida (mais precisamente a 320 quilómetros de Jacksonville), não sofreu danos de maior. Foi uma noite escura e com nevoeiro na costa Este dos EUA, pelo que as imagens da aterragem (ou do embate) do Falcon 9 não foram (ainda) reveladas.

O sucesso do lançamento e da missão eram (são) a prioridade, mas as atenções estavam viradas para a aterragem, como já aqui falámos. Ainda não foi desta que conseguiram fazer aterrar o foguetão Falcon 9 em segurança e na vertical, um processo de recuperação fundamental para a economia da exploração espacial.