Dezasseis pessoas que pertencem ao entorno da ETA foram detidas esta segunda-feira numa grande operação policial levada a cabo pela Guarda Civil espanhola, avança a Agência EFE. Entre os 16 detidos estão 12 advogados, que são responsáveis pela defesa de elementos do grupo que se encontram presos, conta o ABC. A Guarda Civil acusa-os de possível fraude, branqueamento de capital e crimes contra o Fisco. As detenções ocorreram em Guipúzcoa, Vizcaya, Navarra e Madrid.

A investigação assenta na forma como o grupo se financia e nas pessoas próximas dos elementos que já estão presos, conta o El País. Esta grande operação, aprovada pela Audiência Nacional e dirigida pelo juiz Eloy Velasco, terá arrancado para evitar que os detidos integrem uma organização terrorista.

O diário espanhol afirma ainda, suportado por fontes próximas do caso, que entre os detidos estão também tesoureiros da organização Herrira, que havia sido criada em fevereiro de 2012, quando o grupo decidiu colocar um ponto final na violência para promover os direitos dos elementos presos. O Ministério do Interior sempre catalogou esta organização como um “tentáculo da ETA”.

Três advogados detidos nesta manhã de segunda-feira deveriam comparecer hoje na Audiência Nacional para mais uma sessão do julgamento contra a organização. No seguimento da operação policial, a defesa de 35 acusados solicitou a suspensão da sessão.