Foi várias vezes apelidado de “reformista”, sobretudo pela forma como afrontou, em algumas situações, os membros mais radicais do clero saudita. Aos 90 anos, o Rei Abdullah, da Arábia Saudita, morreu. Estava internado há várias semanas devido a uma infeção pulmonar.

Numa declaração oficial, lida na televisão estatal, onde se confirma a morte de Abdulah, é referido que o meio-irmão do rei, Salman bin Abdulaziz, 79 anos, irá ocupar o lugar. Salman era, desde 2012, o primeiro príncipe herdeiro, vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa. Desde que Abdulah foi internado no hospital com uma pneumonia que coube a Salman conduzir os assuntos de Estado, incluindo as reuniões com o Conselho de Ministros.

O novo número dois, primeiro na linha de sucessão, passa a ser Moqren bin Abdelaziz al Saud. Nascido em Riad, em 1945, ocupava desde março de 2014 o cargo de segundo príncipe herdeiro.

Abdullah bin Abdulaziz al Saud tinha assumido o trono em 2005, depois da morte do irmão, o rei Fahd. Mas na verdade, desde que o antecessor teve um enfarte, em 1996, que era Abdulah quem dirigia o país. Nos últimos anos teve vários problemas de saúde e foi operado em 2010 a uma hérnia discal e em 2011 e 2012 a um problema na coluna.

O funeral de Abdulah bin Abdulaziz al Saud realizar-se-á esta sexta-feira à tarde, na Arábia Saudita.

Entretanto, em Meca, na Arábia Saudita, a cidade mais sagrada do mundo para os muçulmanos, milhares de pessoas começaram a juntar-se após a notícia da morte do rei.