Astrofísica

Descobertos cinco planetas do tipo terrestre a orbitar estrela mais antiga do que o Sol

Uma equipa de investigadores, que envolve o instituto português de Astrofísica e Ciências do Espaço, descobriu cinco planetas, possivelmente semelhantes à Terra na sua constituição.

Planetas fazem órbita em redor de uma estrela mais antiga do que o Sol, a Kepler-444

NASA / HANDOUT/EPA

Uma equipa de investigadores, que envolve o instituto português de Astrofísica e Ciências do Espaço, descobriu cinco planetas, possivelmente semelhantes à Terra na sua constituição, a orbitar uma estrela mais antiga do que o Sol, a Kepler-444. Segundo a investigação, publicada na revista The Astrophysical Journal, os cinco exoplanetas (fora do Sistema Solar) em causa são próximos, no tamanho, de Mercúrio e Vénus.

O astrofísico e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) Sérgio Sousa, que participou no estudo, adiantou à Lusa que as medições feitas aos planetas, a partir de imagens captadas pelo telescópio Kepler, da NASA, revelam que a sua densidade é elevada, o que leva a crer, assinalou, que “são rochosos” como a Terra, apesar de mais pequenos do que o “planeta azul”.

A estrela Kepler-444, uma anã laranja, ligeiramente menor do que o Sol e com cerca de 5.000°C à superfície, é “bastante antiga, tem quase a idade do Universo”, frisou. Ao contrário de estrelas de segunda geração, como o Sol, a Kepler-444 tem menos ferro, “elemento fulcral na formação dos planetas”, e mais magnésio e silício, apontou Sérgio Sousa.

Para os investigadores, a descoberta prova que poderão ter sido criadas condições para o aparecimento de planetas desde muito cedo na formação do Universo. “A descoberta de um sistema com planetas do tipo terrestre, tão antigo como o Kepler-444, confirma que os primeiros planetas se formaram muito cedo na vida da nossa Galáxia, o que nos dá uma indicação de quando terá começado a era da formação planetária”, sustenta o investigador Vardan Adibekyan, do IA e da Universidade do Porto, citado em comunicado do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

O sistema estelar Kepler-444 ter-se-á formado há 11,2 mil milhões de anos, quando o Universo tinha cerca de um quinto dos atuais 13,8 mil milhões de anos, esclarece a nota, acrescentando que, quando a Terra se formou, os cinco planetas extrassolares deste sistema, “cerca de 2,5 vezes mais velho do que o Sistema Solar, já eram mais velhos do que a idade atual da Terra”. Para os cientistas, trata-se, por isso, do “mais antigo sistema estelar conhecido a albergar exoplanetas do tipo terrestre”.

Situado a 116 anos-luz de distância da Terra, o sistema Kepler-444 é visto como um dos sistemas estelares “mais próximos” do “planeta azul” que foram observados pelo telescópio Kepler, tendo a equipa de investigadores internacionais medido o raio dos cinco planetas através do método dos trânsitos – medição da diminuição da luz de uma estrela provocada pela passagem do exoplaneta à frente dessa estrela.

Adicionalmente, e como o método dos trânsitos é indireto, “só permite determinar o tamanho dos planetas em relação ao tamanho da estrela-mãe”, ressalva o IA, a equipa recorreu a técnicas de asterossismologia, que permitem estudar o interior das estrelas através da sua atividade sísmica medida à superfície, de forma a “conhecer com precisão as caraterísticas físicas da estrela” e, assim, “conseguir determinar o tamanho dos planetas”.

De acordo com a investigação, as órbitas dos cinco planetas extrassolares são cinco vezes menores do que a órbita de Mercúrio, completam uma translação à volta da sua estrela em dez dias ou menos. O próximo passo do grupo de cientistas será caraterizar melhor, com novos instrumentos, os planetas detetados.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)