A Grã-Bretanha surge como o maior investidor e os jogadores brasileiros os mais cobiçados, de entre os 13.090 transferidos em todo o mundo. A verba não inclui as comissões pagas aos agentes.

O francês Eliaquim Mangala, que se tornou o defesa mais caro do sempre ao deixar o FC Porto rumo aos ingleses do Manchester City, por 54 milhões de euros, é um dos jogadores em destaque.

Em posição de relevo encontra-se também o defesa brasileiro David Luiz, que já representou o Benfica, ao trocar os ingleses do Chelsea pelos franceses do Paris Saint-Germain, por 50 milhões de euros.

O total das verbas das transferências de jogadores registou um aumento de 2,1% comparativamente a 2013 (3,4 mil milhões de euros), e tem vindo a crescer a uma média anual de 3,4% desde 2011.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Europa continua a ser, de longe, o principal mercado, com 87% das despesas, seguida pela América do Sul e pela Ásia. As transferências de jogadores entre clubes europeus representam 78% do investimento total.

Os clubes ingleses são os maiores investidores, com 1,17 mil milhões de dólares (cerca de mil milhões de euros) gastos em 2014″, disse Mark Goddard, responsável pela FIFA TMS (sistema do mercado de transferências), entidade que regista, a nível mundial, todas as movimentações internacionais de jogadores.

“A Inglaterra gastou mais de o dobro da Espanha, segundo maior mercado mundial”, acrescentou ainda Mark Goddard.

A Espanha é o país que vendeu mais jogadores em 2014, com uma receita recorde de 667 milhões de dólares (cerca de 590 milhões de euros), contra 517 milhões de euros em 2013, à frente da Inglaterra (463 milhões de euros) e de Portugal (385 milhões de euros).

Os jogadores mais cobiçados são os brasileiros, representando 1.493 transferências e um investimento de 448 milhões de dólares (cerca de 396 milhões de euros), à frente de argentinos, britânicos e franceses.