Rádio Observador

Sporting

Sporting precisou de três comprimidos para remediar o Arouca

O Arouca começou a ganhar com um penálti criado por Tobias Figueiredo. O Sporting reagiria, Montero e Carrillo marcariam e o jovem central, aos 77', estreou-se a marcar para fechar (3-1) o resultado.

A um dia de chegar aos 21 anos de idade, Tobias Figueiredo estreou-se a marcar pelo Sporting. Mas só depois de causar o penálti que ainda colocou o Arouca em vantagem

OCTAVIO PASSOS/LUSA

O avançado está à sua frente. A bola pertence-lhe e pela cara e pela sensação que o corpo passa, parece estar a magicar alguma coisa. A baliza está perto, a distância curta o suficiente para servir de ponto de mira. Dali pode ser um remate ou cruzamento. O defesa, que está dentro do território da grande área, portanto, pensa e lembra-se: pelo sim, pelo não, vou encolher os braços e colocá-los atrás das costas. Porque é sempre melhor prevenir um penálti do que esperar que o guarda-redes consiga ser remédio para o parar.

Há cada vez mais defesas que o fazem. Tobias Figueiredo, contudo, não se lembrou. O central nem refilou com o árbitro, cerrou os dentes e soltou apenas uns palavrões para o ar quando, aos 23’, a bola que Pintassilgo queria transformar num daqueles remates em arco, em direção ao poste mais longe da baliza lhe tocou no braço esquerdo. Era penálti. Na baliza até estava o homem que, há 307 jogos, até se estreara pelo Sporting com um penálti defendido (contra o Marítimo, nos Barreiros, em 2006), mas Rui Patrício não remediou nada. David Simão correu, bateu com o pé esquerdo na bola e golo do Arouca.

Arouca: Mauro Goicochea; Ivan Balliu, Miguel Oliveira, Diego e Tinoco; Nuno Coelho, David Simão e Rui Sampaio; Pintassilgo, Kazembe e Roberto.

Sporting: Rui Patrício; Cédric Soares, Paulo Oliveira, Tobias Figueiredo e Jonathan Silva; William Carvalho, Adrien Silva e João Mário, André Carrillo, Carlos Mané e Fredy Montero.

Avisos até nem tinham faltado. O relvado, com buracos, zonas de pouca relva e teimoso para colocar a bola a saltitar, não ajudava e a partida era feita de muitos passes pelo ar, ressaltos e cabeceamentos. Para funcionar ali, com a bola a rolar na relva, uma jogada tinha que ter poucos passes e pés rápidos e fortes a bater na bola. Um remédio que não curava o tapete, mas ajudava a curar os efeitos que causava no encontro. Foi assim que, aos 12’, Ivan Balliu dera a bola a Roberto, avançado que fugira da área, arrastara um central do Sporting e, de primeira, a passou para Rui Sampaio que, no espaço deixado livre, rematou e viu a bola passar bem perto da barra.

Ali, num relvado feito para lutar, o Arouca lutava bem. A bola gostava mais dos leões, passava mais tempo com eles, mas só quando Carrillo, Cédric ou Mané conseguiam, com ela, ser velozes, é que a equipa se aproximava da baliza adversário. Até ao penálti o Sporting inventou três coisas perigosas. Logo no arranque, aos 3’, um mau passe de David Simão colocara a bola em Fredy Montero, que rematou de longe da baliza e atirou a bola bem para as mãos de Goicochea. Depois, aos 9’, um toque de calcanhar de Mané deu um remate a Montero que o guardião defendeu. E aos 16’ foi a cabeça de Adrien Silva, na área, a rematar a bola cruzada por Jonathan Silva, desde a esquerda, e a fazê-la passar perto, bem perto, do poste direito da baliza.

Até que lá apareceria o braço de Tobias, o remate de Pintassilgo, o remédio sem efeito de Rui Patrício e o golo do Arouca.

Muito se passou antes e pouco se passaria depois. Porque seis minutos volvidos (30’) e a bola foi parar à esquerda do ataque dos leões, a Carlos Mané, que num arranque ultrapassou Ivan Balliu, correu com a bola e passou-a depois para a desmarcação de Fredy Montero, colombiano que, com a canhota, remataria de primeira para Goicochea tocar na bola, sim, mas também ele não conseguir ser antídoto para desviar a bola da baliza. 1-1, sétimo golo do avançado na liga e o décimo marcado esta temporada.

De novo, tudo igual. Até ao intervalo nada mais houve de perigoso. A luta aumentou, a rotação também, e o Arouca parecia insistir, cada vez mais, no novato Joris Kazembe, miúdo belga, extremo canhoto, emprestado pelo FC Porto, para acelerar as jogadas e levar a bola até perto da área contrário. Resultava, pois o belga ganhava faltas e dava trabalho a quem o perseguia. E os leões iam aprimorando o remédio e tentando manter as jogadas na relva, com poucos toques e muitos passes — e erros, porque também falhavam muito.

Continuariam a fazê-lo. Adrien mostrou-o aos 47’, quando a bola lhe foi parar ao pé direito depois de um cruzamento largo de Cédric e de um passe, com a cabeça, de Mané — o médio, a 10 metros da baliza, não lhe acertou com o remate que disparou. Foi por pouco. Tão pouco quanto os centímetros que faltaram a Kayembe para, aos 50’, chegar a um cruzamento de Pintassilgo, ou os que separaram a bola cabeceada por Tinoco, aos 54’, de acertar na baliza de Rui Patrício.

O jogo estava tremido — o Sporting dominava, mas não controlava ao ponto de impedir que o Arouca fosse inventado hipóteses para marcar. Como uma gripe mal curada que dá arrepios de frio quando se pensa que o remédio fez o o seu trabalho. Mas há medicamentos que se tomam em várias doses. E se o golo de Montero foi o primeiro comprimido, André Carrillo, aos 60’, tiraria o segundo da caixa — que o árbitro, Paulo Almeida, até ajudou a abrir. Porque Pintassilgo, perto do meio campo, recebeu um chutão para a frente e tentou passar a bola a Roberto, mas o homem do apito estava no caminho.

A bola desviou, acabou em Adrien, que a passou para a entrada da área, onde estava João Mário. O médio virou-se, soltou Mané na direita que, com um passe rasteiro, pediu a Carrillo que deslizasse sobre a relva e a rematasse. Para golo e para o 2-1. O quinto golo no campeonato do peruano tranquilizou as coisas. O Arouca perdeu gás e, sobretudo, cabeça para pensar as tentativas de ataque. Não mais ameaçou a baliza de Rui Patrício. As ameaças passaram a ser coisa só de leão.

Ou de leãozinho. Um de 20 anos, alto, rápido e defesa central que, na primeira parte, deu o braço que germinou o vírus para o qual o Sporting precisou de remédio. Foi Tobias Figueiredo, com a cabeça, a desviar a bola perto do primeiro poste, num canto, e a fazer o 3-1 aos 77’. Não remediou o erro que valera o penálti ao Arouca, mas compensou-o com o golo que sacou o terceiro comprimido da caixa e curou, de vez, a vitória para o Sporting. Mas não curaria os ânimos que pairavam sobre o relvado.

Já depois de, na área, entrar de carrinho sobre Kazembe, tocar na bola, derrubar o belga e dar um trampolim para o banco do Arouca saltar e protestar, Jonathan Silva foi expulso. Aos 87’ o argentino lutou por uma bola com Roberto, que o pontapeou numa perna e fez com que o defesa do Sporting, já deitado na relva, esticasse as pernas para atingir o adversário. Criou-se um sururu, com jogadores, técnicos e até Bruno de Carvalho, presidente dos leões, à mistura, e o árbitro acabaria por mostrar o segundo cartão amarelo ao canhoto argentino.

E não estará, portanto, no relvado de Alvalade na próxima semana, quando a equipa receber o Benfica. Tão pouco estará Augusto Inácio, diretor desportivo que o homem do apito também ordenou que abandonasse o campo. Duas expulsões num minuto e um repentino ataque de febre que o jogo não soube conter — e que terá efeitos secundários no dérbi lisboeta. Aí, para Jonathan Silva, o remédio será Jefferson, lateral brasileiro que, aliás, cumpria uma partida de suspensão neste duelo com o Arouca. Para tudo o resto, o Sporting, mesmo que não tenha maneira de remediar erros que possam aparecer, terá sempre de, pelo menos, os compensar de alguma forma. Como o fez Tobias Figueiredo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)