A história de James Robertson, 56 anos, foi contada no Detroit Free Press a 1 de fevereiro e provocou uma onda de solidariedade que levou os norte-americanos a doarem mais de 77 mil dólares (68,1 mil euros) a um estranho num dia. Objetivo: comprar um carro ao colaborador da Schain Mold & Engineering que todos os dias percorre 33,7 quilómetros a pé para ir e vir do seu local de trabalho.

https://twitter.com/qwertys4171/status/562275894166052865

James Robertson caminha para o trabalho desde que o carro avariou, há dez anos. Sai de casa todos os dias às oito horas da manhã, apesar de só entrar às 14 horas. Precisa de seis horas para poder picar o ponto. Quando pode, apanha a boleia de Blake Pollack, um funcionário do banco UBS que começou a reparar na caminhada diária de Robertson e passou a oferecer-lhe boleia. Durante cinco dias por semana, James Robertson enfrenta o frio do Inverno de Detroit e algumas das zonas mais perigosas da cidade, para ganhar 10,55 dólares por hora (9,34 euros). O que o move? A “fé”, disse ao Free Press, sem esquecer de referir a “determinação”.

Depois de o Detroit Free Press ter tornado a história de James Robertson pública, foram criadas três páginas online para recolher donativos para comprar um carro novo ao funcionário da Schain Mold & Engineering, conta o BuzzFeed. Uma delas foi criada por um estudante de 19 anos da Wayne State University, Evan Leedy.

Às 22h45 de segunda-feira de 2 de fevereiro, um dia depois de a história ter sido revelada, os donativos chegavam aos 78,2 mil dólares e têm sido várias as referências à história de James nas redes sociais. É uma caminhada que pode ter-se tornado viral.

https://twitter.com/slone/status/562301343340437508

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR