Quem são os 220 clientes portugueses do HSBC da Suíça? É a esta pergunta que a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) quer responder e, para isso, já entrou em contacto com as autoridades policiais francesas para que a lista chegue a Lisboa. O Diário Económico falou com alguém que já a espreitou e dá algumas pistas: há uma aristocrata, uma neta de milionário, advogados e empresas offshore entre a clientela do banco britânico no meio de um escândalo de fuga aos impostos na Suíça.

Da neta do milionário, sabe-se apenas que o dito já terá morrido e que a sua familiar tinha cerca de 10 milhões de euros no HSBC em 2006 e 2007, altura a que se reporta a investigação judicial. Quanto aos advogados, vários deles pertencem à mesma família, que a partir de 2007 decidiu retirar do banco todo o dinheiro que ali tinham depositado.

Já sobre a “aristocrata”, termo usado pelo Económico, sabe-se que é uma mulher procurada pela Justiça por burla qualificada e fraude, mas desconhece-se para já o valor que teria depositado no HSBC.

Estas pessoas juntam-se a três outros portugueses da lista cuja identidade já é conhecida. São eles: Sílvia Caçador (alegadamente com 227 milhões de euros em depósitos), Joaquim Amaro da Cruz (com 196 milhões) e Rosa Cruz da Silva (164 milhões). Além destas pessoas, também numerosas empresas constam da referida lista, entre elas dezenas de offshores.