Rádio Observador

Bebidas

Como quebrar o gelo, literalmente

O segredo de um cocktail pode estar no gelo, e chegar à pedra (ou esfera) perfeita não é complicado. Veja como domar a água congelada.

Getty Images

É difícil pensar num bar sem gelo, como aqueles anteriores ao século XIX, quando o norte-americano Frederic Tudor ainda não se tinha lembrado de cortar a água congelada do lago do pai e trazê-la para climas mais quentes. Ou melhor, quando ainda ninguém se tinha lembrado de fazer aparecer os congeladores. Agora que o gelo é democrático, é também uma parte essencial de boa parte dos cocktails e quando tratado com cuidado pode tornar-se no toque de sofisticação decisivo.

Há pequenos passos que se podem dar para se ficar mestre na arte de servir gelo. Em primeiro lugar, acertar com o tamanho e a forma: não só determinam a temperatura, mas ainda a velocidade a que o gelo se vai dissolver e por isso diluir a bebida, o que em exemplos como os mojitos ou as caipirinhas faz parte da receita — nesses casos, o gelo picado é a melhor e mais tradicional opção.

No entanto, para um on the rocks como deve ser — bem gelado, mas com o mínimo de água pelo meio — há que ter pedaços de gelo bem grandes e para isso o melhor é escolher cuvetes que façam cubos de gelo com cerca de cinco centímetros. Isto se não quiser arriscar em casa o número ousado de congelar um bloco de gelo e ir cortando-o com um picador e uma faca em barras — que se podem usar em copos altos, por exemplo — e finalmente em cubos.

Bartenders exigentes é isso que fazem. E se estivermos a falar dos japoneses, eles vão mais longe: com facas afiadas e mãos treinadas podem descascar cubos de gelo em diamantes ou esferas. Estas últimas demoram bastante tempo a derreter e tornam qualquer bebida mais bonita. Mas se a ideia de uma faca a cortar gelo e a ir e vir na direção de uma mão não lhe parece um bom ponto de partida para uma festa, procure soluções caseiras: moldes em formas de esfera são fáceis de encontrar à venda na internet e há ainda máquinas que deformam um pequeno bloco de gelo até ficar redondo e polido. Sem tecnologia japonesa, há sempre os balões de água, que depois de cheios e com umas horas de congelador dão ao gelo uma forma semelhante.

Para além da forma e do tamanho, a densidade do gelo é decisiva no tempo que demora a dissolver-se e quanto mais transparente, mais denso, para além de mais estético. O gelo feito em casa é normalmente fosco e isso pode acontecer por várias razões e todas elas envolvem física. Para encurtar caminho: as impurezas na água e o facto de ela congelar rapidamente formam bolsas de ar nos cubos e isso significa que ele vai derreter mais rapidamente.

Há duas soluções: ferver a água antes de fazer o gelo, para a limpar, ou colocar as cuvetes num recipiente que isole a água do frio do congelador em todos os lados menos em cima, como uma pequena geleira sem tampa (não se devem encher apenas as cuvetes, mas cobrir o fundo do recipiente). A água vai congelar mais lentamente apenas numa direção, de cima para baixo, e por isso o gelo dura mais tempo no copo, e vai poder ver-se através dele.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)