O Hospital Garcia de Orta, em Almada, está a substituir ecografias por TACs por não ter médicos radiologistas na urgência a partir das 20h, avança o Diário de Notícias esta sexta-feira. Nos casos menos graves, os utentes fazem as ecografias apenas às 8h da manhã da seguinte.

O Garcia de Orta tem, segundo o DN, dez radiologistas, seis deles a trabalhar em part-time. E isso motivou a preocupação da diretora do serviço de radiologia, Cecília Bagulho, que o comunicou à diretora clínica Paula Breia, via email, em dezembro e janeiro, afirmando que existia “inconsistências das coberturas de banco no período das 20-24 horas”. No início de fevereiro voltou a alertar o serviço de urgência e a administração de que não estavam a cumprir a lei, pois esta diz que é obrigatório um serviço de radiologia disponível 24 horas por dia.

O artigo adianta ainda que o Ministério da Saúde diz que “não têm sido transferidos doentes por falta de apoio da radiologia”, garantindo que os horários parciais “estão a ser revistos” e que serão alargados até às 24h diárias.

Jaime Mendes, presidente da secção Sul da Ordem dos Médicos, admitiu ao DN que este não é caso único em Portugal. “Quase todos os hospitais estão a funcionar desta maneira a partir das 20 horas”, reconheceu. “Acontece no Amadora-Sintra, no Santa Maria, no de Santarém… Contratam empresas de telerradiologia em que não sabe quem faz os relatórios e já recebemos queixas de colegas por causa de erros nos relatórios, que só se descobrem nos exames seguintes.” O Ministério assegurou contudo ao Diário de Notícias que no Amadora-Sintra o serviço de urgência tem à sua disposição dois médicos radiologistas das 8h às 24h, enquanto da meia-noite às 8h existe um mecanismo de prevenção, desmentindo assim a informação dada por Jaime Mendes.