Doçaria

Um café e uma nata: 5 sítios para cumprir o ritual

638

No dia em que os pastéis de nata nacionais voltaram a estar nas bocas do mundo, conheça os melhores sítios do país para repetir o pedido mais ouvido em qualquer pastelaria.

Os bonitos pastéis de nata da Manteigaria, em Lisboa.

Manteigaria

Pelas constantes filas à porta e pela qualidade dos pastéis, que rapidamente se impuseram no top lisboeta na matéria, custa a crer que abriu apenas em meados do ano passado. Mas é verdade. Ocupa o espaço da antiga Manteigaria União, a quem roubou metade do nome e, quem sabe, parte da inspiração. É que para fazer estes pastéis os responsáveis usam apenas manteiga verdadeira. A confeção pode, aliás, ser acompanhada de perto, já que há apenas um vidro a separar os clientes do local onde acontece magia (leia-se pastéis).
Rua do Loreto, 2 (Chiado), Lisboa. 21 347 1492. Todos os dias, das 08h00 à 00h00. Cada pastel de nata custa 1€.

Fábrica dos Pastéis de Belém

Sejamos francos: é um destino lisboeta tão batido como os Jerónimos ou o Castelo de São Jorge. Continua, no entanto, a ser dos melhores sítios em todo o país para comer pastéis de nata. E isto por muito que se diga que já não são iguais — uma conversa quase tão antiga como os próprios pastéis (que vêm de 1837, já agora). A receita continua igual a sempre e, importante, continua guardada a sete chaves na chamada Oficina do Segredo. As longas filas são cenário habitual ao fim de semana: é ter paciência ou ir noutra altura.
Rua de Belém, 84 a 92, Lisboa. 21 347 1492. Todos os dias das 08h00 às 23h00 (de Julho a Setembro ficam abertos até à meia noite). Cada pastel custa 1,05€.

Aloma

Não foi por acaso que ganhou o prémio de melhor pastel de nata de Lisboa em dois anos consecutivos, 2012 e 2013. E também não é por acaso que tem vindo a aumentar a sua rede de distribuição na cidade: atualmente é possível provar pastéis de nata da Aloma no El Corte Inglés, no Mercado da Ribeira e até no Chiado, na histórica Bijou do Calhariz. Isto, claro, além da casa-mãe, em Campo de Ourique. A história do nome Aloma é curiosa: segundo consta, na altura da sua inauguração, em 1943, o vizinho Cinema Europa estava a exibir o filme Aloma of the South Seas. Os proprietários ficaram tão encantados com a beleza de Dorothy Lamour, a Aloma do filme, que decidiram batizar dessa forma a pastelaria.
Rua Francisco Metrass 67 (Campo de Ourique), Lisboa. 21 396 3797. Todos os dias das 08h00 às 19h00. Cada pastel custa 1€.

Alcôa

A histórica pastelaria de Alcobaça é a exceção à regra que diz que fora de Lisboa já não é tão fácil encontrar bons pastéis de nata. Não só são bons, como o júri do último Peixe em Lisboa (sim, há um concurso de pastéis de nata num evento dedicado a peixe) o considerou os melhores do país. Tudo o que meta ovos, aliás, pode e deve ser comido nesta casa, sempre apostada em mostrar o que de melhor se faz  em termos de doçaria conventual. E há boas notícias para os seus fãs lisboetas: em breve abrirá na capital, na antiga Casa da Sorte do Chiado.
Praça 25 de Abril, 44, Alcobaça. 262 597 474. Todos os dias das 08h00 às 19h30. Cada pastel custa 1,10€.

Nata Lisboa

Não é que os pastéis sejam fantásticos — são apenas razoáveis — mas a Nata Lisboa merece destaque por ter levado uma versão honesta do doce a várias cidades do país (e não só). A marca foi pensada antes das célebres declarações do ex-ministro da economia, Álvaro Santos Pereira, mas o seu mote, “The World Needs Nata” encaixa nas intenções do (então) governante, : levar as natas a locais onde elas não estavam devidamente representadas. Começaram em Lisboa, subiram à Invicta (e que difícil é encontrar bons pastéis de nata no Porto, sendo que a Leitaria da Quinta do Paço é uma honrosa exceção), expandiram-se para Coimbra, Leiria, Barcelos e Guimarães, entre outras cidades, e já saltaram fronteiras: primeiro Espanha, depois França e no futuro, quem sabe, o mundo…
A Nata Lisboa conta com 20 lojas em Portugal, Espanha e França. Veja aqui as respetivas moradas e horários.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)