Rádio Observador

Liga dos Campeões

Liga dos Campeões. Guardiola, Jardim e o que os “oitavos” ensinaram

Pep voltou a Camp Nou para espiar e acabou a vibrar, qual adepto. Leonardo Jardim, contra todas as probabilidades, já está nos "quartos". Tévez imitou Vialli, Vieri, Del Piero e outros cinco...

Leonardo Jardim já está nos "quartos"

GLYN KIRK/AFP/Getty Images

Pep Guardiola voltou a Camp Nou. O homem pode passar um ano sabático em Nova Iorque e depois mudar-se para Munique, para ensinar àquela gente a arte de congelar uma bola, mas aquele coração é blaugrana e não engana ninguém. Guardiola é diferente. Entrou depois da hora, sentou-se discretamente, como um qualquer adepto, e quase viu um golo de Neymar. A ideia era espiar um potencial rival nos “quartos”, mas não foi bem assim…

Livre direto para Messi. O olhar do treinador catalão fixou-se, como antigamente, no craque argentino. O canhoto bateu e a bola, caprichosa, vaidosa e dona do seu destino, rejeitou a rota calculada e saiu muito perto da trave. Guardiola juntou os lábios como quem diz “uuuuuuuuuush”. O peito estava quieto, mas quase que dá para imaginar aquele coração a palpitar com mais força do que nunca. Afinal, estava em casa.

Messi com a bola, desvia um rapaz vestido de azul e mete do outro lado do campo para a entrada de Rakitic: golo do Barcelona. Magia. Guardiola não resistiu e aplaudiu, levantou-se e, rapidamente e sem jeito, até tapou a cara. Sentiu, porventura, o que sentia quando era garoto: um mero fanático pelo Barça. As redes sociais estavam ao rubro com o catalão.

Bola para Messi no meio-campo dos blaugrana. Milner, com o coração do costume, chegou com pressa, comprometido e corajoso. O canhoto, em dia de noite de gala, fez-lhe uma “cueca” como quem assobia e vê as flores no jardim… O inglês até caiu ao tentar juntar as pernas e Guardiola ficou louco. Até levou as mãos à face e juntou-lhe outro “uuuuuuush”, completamente derretido com o antigo pupilo. A paixão deste homem pela sua profissão e pelo futebol emociona. Ainda vibra com uma finta como um menino. Talvez não seja por acaso que o seu reinado no Barça tenha ficado associado à música “Viva la vida” dos Coldplay…

QUE BEM QUE SE ESTÁ NESTE JARDIM, HEIN?

Leonardo Jardim é o único treinador português ainda a correr pela final de Berlim, o palco escolhido para escolher o rei do Velho Continente. Na fase de grupos, com Zenit, Benfica e Leverkusen, poucos davam alguma coisa pelo Mónaco. Afinal, esta já não é aquela equipa impecável com Falcao e James, por exemplo. Mas o madeirense, naquele jeito ninguém-dá-por-mim-mas-percebo-disto-que-é-uma-coisa-doida, lá montou uma equipa equilibrada, sólida no meio-campo, onde Moutinho é o senhor, e um contra-ataque mortífero. Um pouco à imagem do que fez no Sporting, surpreendendo meio mundo ao garantir o segundo lugar e a consequente qualificação para a Liga dos Campeões.

Com pézinhos de lã, foi somando pontos e festejando golos, com um entusiasmo nunca antes visto. Com direito a sorriso e tudo, qual gesto clandestino. Conclusão? Líder do grupo com três vitórias, dois empates e uma derrota; quatro golos marcados (“só?!” — sim…) e um sofrido (“só?!” — sim…). É isto: não há magia nem um ataque fluído, a libido virada para o futebol não é com ele. Mas a defesa compensa, ó se compensa. Um golo sofrido num grupo com rivais como Kiessling, Çalhanoğlu, Son Heung-Min, Hulk, Rondón, Arshavin, Kerzhakov, Gaitán, Salvio e Lima é dose.

Seguiu-se o Arsenal nos “oitavos”. Seria o ponto final do conto de fadas, terá sentenciado muito boa gente. Mas aquela defesa, senhoras e senhores, não o deixou cair. Outra vez. E desta vez o ataque até deu um empurrãozinho. Em Londres, uma vitória espetacular por 3-1 embalou Leonardo Jardim e companhia, tornando muito, muito difícil a viagem dos gunners à Côte d’Azur. O Arsenal venceria por 2-0, mas não chegaria.

O madeirense é daqueles que sabe o que é a subir a pulso. A aventura como treinador principal começou em 2003/04, no Camacha. Quatro anos depois, mereceu a chamada do Desportivo de Chaves, mas voltaria ao Camacha na mesma época… Para, pasme-se, regressar novamente ao Chaves. Confuso? Sim, mas ele encolheu os ombros e subiu de divisão (da IIB para a II).

Depois armou-se em Alex Honnold, o homem que sobe montanhas de mil metros sem cordas, e mudou-se para o Beira-Mar, onde também acabaria por subir de divisão, desta vez para aquela onde moram os graúdos. Seguir-se-iam Sp. Braga em 2011, Olympiakos em 2012 e Sporting em 2013. Em Alvalade disse “bom dia” à Liga dos Campeões e mereceu um telefonema da terra do príncipe Alberto. E agora é o que se vê: colocou o 74.º do ranking da UEFA nos “quartos” da Champions.

O QUE ENSINARAM OS OITAVOS-DE-FINAL?

ARSENAL: é a quinta vez consecutiva que a equipa de Arsène Wenger cai nos “oitavos” — Bayern Munique (2013/14), Bayern Munique (2012/13), Milan (2011/12) e Barcelona (2010/11). Está apenas a uma eliminação do recorde do Real Madrid.

BARCELONA: Rakitic marcou o golo da vitória em Camp Nou contra o Manchester City na segunda-mão. Antes dele, apenas oito croatas marcaram na fase a eliminar da competição: Boban, Spehar, Prso, Olic, Eduardo Silva, Srna, Madzukic e Modric.

JUVENTUS: Tévez marcou duas vezes ao Dortmund, na primeira mão e na segunda, algo que só se viu mais oito vezes no clube de Turim: Vialli, Vieri, Amoruso, Inzaghi, Del Piero, Conte, Trezeguet e Matri.

ATLÉTICO MADRID: a equipa de Simeone venceu pela primeira vez por penáltis na Europa. A vítima que ficou colada à estreia foi o Leverkusen, que saiu do grupo do Benfica. Antes, os colchoneros perderam três duelos nos penáltis em outras tantas tentativas. A equipa que vive do Cholismo (“jogo a jogo” e deixar tudo em campo) leva já seis jogos sem sofrer golos em casa na Liga dos Campeões, ficando apenas a um do recorde.

MÓNACO: a equipa de Leonardo Jardim esteve dez anos sem sofrer golos em casa para a Liga dos Campeões. A última vez aconteceu em março de 2005, quando DaMarcus Beasley, do PSV, festejou no antigo estádio da Supertaça Europeia. Okay, este é daqueles casos em que a estatística fecha aos olhos ao facto de este clube ter andado à deriva, inclusive na segunda divisão francesa…

REAL MADRID: Ronaldo bateu mais um recorde, com os dois golos marcados ao Schalke 04. O português já leva 75 golos na Liga dos Campeões, tal como Lionel Messi.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)