O SATU – Sistema Automático de Transporte Urbano representou uma perda superior a 40 milhões de euros para a Teixeira Duarte, mas a maior fatia deste prejuízo já foi reconhecida nas contas da construtora, pelo que o anunciado encerramento do monocarril de Oeiras terá um impacto marginal nos resultados.

Em comunicado, a Teixeira Duarte esclarece que já tinha registado nas contas de 2013 perdas de 39,6 milhões de euros, decorrentes da participação de 49% na sociedade que gere o SATU. Até setembro de 2014, foram contabilizados mais 1,3 milhões de euros. A empresa estima que até este ano, o SATU venha a pesar mais 1,5 milhões de euros antes do encerramento previsto para maio. A fatura total do monocarril ascenderá assim a 42,4 milhões de euros, mas a maioria já foi assumida. Com a dissolução da sociedade, a empresa deixará de ter encargos.

Apesar de ter apenas 49% do capital, a Texeira Duarte financiou grosso do investimento na parceria com a Câmara de Oeiras, tendo também assumido as perdas.

O projeto foi promovido pelo antigo presidente, Isaltino de Morais, e revelou-se desde logo deficitário. Os planos iniciais de estender a ligação ao Tagus Park nunca se concretizaram, em parte devido à reduzida procura. Atualmente, o SATU percorre um trajeto de 1,2 quilómetros entre Paço de Arcos e o Oeiras Parque, com uma média diária de 550 passageiros.