O documentário “Cobain: Montage of Heck”, de Brett Morgen, sobre o fundador dos Nirvana, que morreu em 1994, estreia-se esta quinta-feira nos cinemas portugueses.

Com produção executiva de Frances Bean Cobain, filha do cantor, hoje com 22 anos de idade, este é o primeiro documentário sobre Kurt Cobain autorizado pela família, e conta a vida do músico com recurso ao arquivo pessoal, nomeadamente diários, pinturas, desenhos, gravações áudio e muitos vídeos caseiros que registam os primeiros anos de vida, os primeiros ensaios, a vida com Courtney Love e a filha bebé. Há também depoimentos das pessoas mais próximas, como a mãe e o pai, a irmã Kim Cobain, uma ex-namorada, a mulher Courtney Love e o baixista dos Nirvana, Krist Novoselic. A entrevista de Dave Grohl não entrou por ter sido feita demasiado tarde, justificou o realizador à Billboard.

O filme vai estar em exibição nas salas de cinema dos centros comerciais Colombo, Vasco da Gama, Oeiras Parque, Norteshopping, Marshopping, Dolce Vita Coimbra, Braga Parque, Glicinias (Aveiro), Fórum Algarve e Arena Shopping (Torres Vedras), nos dias 23, 24 e 25 de abril, numa sessão única diária, às 21h30. Nos Cinemas UCI do El Corte Inglés de Lisboa, Dolce Vita Tejo e Arrábida Shopping também há exibições, quinta e sexta-feira às 21h30, sábado e domingo às 19h00. O Cinema Medeia Monumental, em Lisboa, vai ser o único a exibir o documentário durante uma semana, entre os dias 23 e 29 de abril, com duas sessões diárias: 19h30 e 22h15. Os bilhetes estão à venda com o preço único de 10 euros.

“Montage of Heck” é o nome de uma cassete que Kurt Cobain gravou em 1988 com uma colagem de músicas e filmes. Essa gravação faz parte do espólio – com bastante material inédito – que estava à guarda da família de Cobain e que foi disponibilizado ao realizador Brett Morgen para o filme. Para Brett Morgen, aquela cassete foi uma espécie de mapa que ajudou a estruturar o filme e a entrar no mundo angustiado e tortuoso de Kurt Cobain, num trabalho de pesquisa que começou a ser feito em 2007. A canção “All Apologies” em versão infantil abre o apetite para os dois minutos e meio do trailer do documentário:

Estreado no início deste ano no Festival Sundance, nos Estados Unidos, o filme não pretende mitificar a figura de Kurt Cobain na história da cultura popular norte-americana, nem tão pouco contar a história dos Nirvana. “O objetivo era fazer um filme sincero” sobre a vida do músico, afirmou o realizador este mês, em entrevista à revista Esquire.

Todos os dias tentava afastar-me do mito e aproximar-me do homem. E, quanto mais me aproximava, mais eu gostava dele. Senti uma tremenda afinidade com Kurt e espero que isso tenha passado para o público”, disse. “Montage of Heck” é uma “viagem emocional” pela vida de Kurt Cobain, nascido em Aberdeen, até aos dias em que se viu consumido pelas drogas e pelos pensamentos depreciativos e suicidas.

montage-of-heck-photo nirvana kurt cobain

Hisko Hulsing criou animações de Kurt Cobain na adolescência

O realizador incluiu também gravações áudio, com relatos pessoais e intimistas de Kurt Cobain, com ensaios e rascunhos de músicas, até aqui nunca revelados publicamente, e dezenas de desenhos, excertos de diários e cadernos de apontamentos, poemas e letras de canções. É naquelas gravações pessoais que se sabe das primeiras tentativas de suicídio de Kurt Cobain, como se sentia socialmente inadaptado e afetado pela separação dos pais. É também nesses registos que se ouve uma versão acústica – inédita – de um tema dos Beatles.

No filme, o autor de “Smells Like Teen Spirit” deixa claro que nunca quis ser uma estrela do rock nem porta-voz de uma geração de jovens angustiados, deprimidos ou zangados com o mundo. Hiperativo e atormentado, Kurt Cobain dizia que nunca tinha procurado a fama, queria apenas fazer música e tinha medo de deixar de ser criativo.

Contado de forma cronológica, “Montage of heck” termina com Kurt Cobain a cantar, com os Nirvana, num concerto acústico gravado no final de 1993 em Nova Iorque para a MTV. A gravação acabaria por sair em álbum em novembro de 1994, meses depois da morte de Kurt Cobain.