Portugal é o terceiro país da Europa que mais acelera startups. Em 2014, os programas de aceleração de empresas portugueses ajudaram a desenvolver 123 novos negócios. A liderar a tabela está o Reino Unido, com 599 startups aceleradas, e em segundo lugar está França, com 212. Os dados foram revelados esta quinta-feira no European Accelerator Report 2014, promovido pela Fundacity, uma plataforma online que liga startups a investidores de todo o mundo.

A Beta-i – Associação para a Promoção do Empreendedorismo e Inovação, que desenvolve o programa de aceleração Lisbon Challenge, é a quarta aceleradora mais ativa da Europa, tendo ajudado a desenvolver 71 empresas em 2014. A britânica Entrepreneurial Spark é a líder, tendo ajudado a desenvolver 352 empresas. Na listagem, outra portuguesa: a nortenha Startup Braga ocupa a décima posição, com 31 empresas apoiadas.

Em 2014, os 76 programas de aceleração de empresas europeus investiram cerca de 39,58 milhões de euros em 1588 startups. Apesar de Portugal ser o terceiro país a acelerar mais empresas, não consta sequer no top 10 do país que mais investe. Espanha, por exemplo, acelerou 101 startups, menos 22 do que Portugal, mas é o segundo país que mais investiu: 6,22 milhões de euros.

O Reino Unido é novamente líder, com 13,24 milhões de euros investidos em 599 startups. E a Alemanha ocupa a terceira posição com 2,9 milhões de euros investidos em 59 empresas. Em décimo lugar, está a Hungria, com 1,4 milhões de euros investidos em 15 startups.

No topo daquelas que vão ser as tendências de mercado nos próximos 12 meses, está o setor das app (aplicações móveis), com 71% dos aceleradores europeus a admitirem querer investir neste setor no próximo ano.

A análise de dados ocupa a segunda posição, com 64% a querer investir e aquela que é considerada “a internet das coisas” ocupa a terceira: 61% dos aceleradores disseram que gostariam de investir neste setor nos próximos meses. Os serviços em nuvem (cloud) estão logo a seguir, com 59% das preferências.

De acordo com a Fundacity, que liga 13.393 a 665 grupos de investimento no mundo, em 134 países, existem cerca de 100 programas de aceleração de startups na Europa, que estão a tornar-se um dos investidores (em estágio inicial) mais atrativos.