Roswell e Área 51. Para quem acredita, ou não, que existe vida além Terra e há outros seres, lá longe no universo, a matutarem o mesmo que nós, estes dois termos remetem para uma coisa: extraterrestres. O primeiro é nome de uma localidade no estado de New Mexico, nos EUA, onde se diz que, em 1947, caiu um OVNI (Objeto Voador Não Identificado). Já a segunda remete para uma base militar norte-americana, no Nevada, onde o secretismo é tanto que sempre deu azo a teorias da conspiração — sobre extraterrestres. Durante décadas, os rumores não pararam de surgir e agora, pelos vistos, regressaram por causa de umas fotografias.

E não faltou pompa e circunstância para desvendar esta imagem. Pelo menos 6 mil pessoas juntaram-se na quarta-feira, em Roswell, para uma conferência a que chamaram “Be Witness” (“Sê Testemunha”, em tradução literal), onde foi revelada a fotografia do corpo de um suposto extraterrestre. As imagens terão sido captadas por Bernard Ray, um piloto da Força Aérea norte-americana, em 1947, no meio dos destroços de um acidente aéreo. Onde? Em Roswell, claro.

A fotografia foi apresentada por Jaime Maussen, investigador que organizou o evento. “[A fotografia] mostra à raça humana, sem margem para dúvidas, que as visitas extraterrestres são uma realidade. Estas fotografias são datadas de um período em que o arquétipo de extraterrestre que conhecemos hoje não existia”, argumentou o líder de uma equipa que, os últimos cinco anos, construiu uma representação virtual do corpo do alien que alegadamente foi fotografado. Esse trabalho, aliás, deu origem ao documentário intitulado “Kodachrome”, também apresentado no evento.

Mas a veracidade das imagens não demorou a ser criticada. Primeiro pelo preço cobrado para o evento — cada bilhete custava 350 dólares, cerca de 311 euros. Depois, porque o suposto corpo do extraterrestre que aparece nas fotografias é, em tudo, semelhante aos corpos de crianças mumificadas durante o Antigo Egito. “Pensei imediatamente que era a múmia de uma criança. Já mostrei as imagens a vários egiptólogos e disseram a mesma coisa. Parece a justaposição entre a fotografia de um alien e a de uma criança múmia”, defendeu Michael Heiser, especialista em estudos bíblicos citado pelo Express, diário britânico.

As fotografias que revelam o corpo do suposto extraterrestre terão sido encontradas dentro de uma caixa, num sótão de uma casa em Midland, uma cidade no estado do Texas. Em 1995, também chegaram a ser reveladas várias imagens do que, na altura, se defendeu ser a autópsia realizada ao corpo de um suposto extraterrestre, mas, pouco depois, foi provado que as fotografias eram uma farsa.