Em Cannes realiza-se por esta altura um dos maiores festivais de cinema do mundo. Porque não discutir a igualdade salarial entre homens e mulheres na indústria cinematográfica? O assunto não é novo. Em janeiro, a atriz Charlize Theron “exigia” receber a mesma quantia que Chris Hemsworth no filme “The Huntsman“ em que ambos eram protagonistas. Já antes um ataque informático à Sony tinha revelado folhas de pagamentos  que provavam a diferença entre homens e mulheres. Agora, foi Salma Hayek a pôr o dedo na ferida.

“Isto é simples, é pura ignorância. Acham que o único valor que trazemos a um filme é enquanto objeto. O único tipo de filmes em que as mulheres recebem mais que os homens é nos filmes pornográficos. E não tem piada“. As duras críticas de Salma vêm na sequência do debate sobre o que estará a correr mal no reconhecimento do valor e do talento feminino na indústria.

A conversa foi organizada pela Variety e pela ONU Mulheres, no âmbito da campanha He For She, encabeçada pela atriz Emma Watson, que convida os homens a juntarem-se à luta pela igualdade de género. Além de Salma, o painel de conversa incluía Parker Posey, Aishwarya Rai Bachchan, Christine Vachon e Elizabeth Karlsen.

“Há apenas uma coisa que motiva as pessoas e o poder nesta indústria, e isso chama-se dinheiro. Eles (Hollywood) têm de perceber o poder económico que nós podemos ter”, ressaltou a atriz, descreve o Telegraph. “Nós temos o poder de mostrar que podemos salvar a indústria cinematográfica”, acrescenta. Mesmo quando é uma “atriz de primeira” a protagonizar o filme, “é ele que ganha os ‘louros'”, destaca. A atriz contou também que já aconteceu não participar num filme porque o ator não quis, apesar de o realizador a ter escolhido para o papel, relata o Jezebel.

attends the Variety Celebration of UN Women at Radisson Blu on May 16, 2015 in Cannes, France.

Elizabeth Nyamayaro (UN Women), as atrizes Salma Hayek e Parker Posey, as produtoras Elizabeth Karlsen and Christine Vachon, a atriz Aishwarya Rai Bachchan e a editora da Variety Claudia Eller.