Ambiente

Ar condicionado nem sempre faz (nem sabe) bem

176

Abrir as janelas quando está calor é coisa do passado. O ar condicionado domina o ambiente nos espaços interiores. Tanto que chegamos a ter frio. Porquê?

O ar condicionado pode dificultar a circulação do ar, o que não é benéfico para a saúde

Getty Images

Chega o inverno e toda a gente deseja pelas temperaturas abrasadoras de verão. Mas quando elas se fazem sentir, toda a gente vai em busca do sítio mais fresco da cidade. E de preferência com o ar condicionado mais eficaz. O que acontece muitas vezes é que o frio começa a sentir-se mais do que se deseja é a de procurar uma mantinha ou camisola para aconchegar.

Gasta-se dinheiro, muita energia e ainda contribuímos para os problemas climatéricos. Então porque insistem as empresas, os restaurantes, os bares e até as pessoas em casa em instalar sistemas de refrigeração? Porque é um sinal de poder, justifica Richard de Dear, diretor do Laboratório de Qualidade Medioambiental Interior da Universidade de Sidney ao El País.

A maior parte das pessoas que procuram uma casa para comprar ou alugar têm como exigência a existência de ar condicionado. Nas empresas a ideia é a mesma: os empregadores pensam que a produtividade aumenta em salas onde o ar está mais frio, por isso ligam os sistemas de refrigeração e fazem-no trabalhar no nível mais alto – que é como quem diz, no mais frio.

Mas nada mais errado: estudos provam que se cometem mais erros quando o termómetro aponta um valor entre os 20ºC e os 22,2ºC do que quando estão 23,3ºC a 24,4ºC.

A verdade é que estamos a contrariar a própria natureza. Por dois motivos: primeiro, o ser humano associa sempre o calor à segurança e o frio à vulnerabilidade. E quanto mais vulneráveis nos sentimos, menos produzimos. E depois porque contrariamos as mensagens ao hipotálamo, a região cerebral que regula a temperatura corporal e obriga o organismo a reagir perante o frio.

Faz um calor desgraçado na rua e entramos de seguida num escritório com um ambiente polar no interior. Estas mudanças extremas de temperatura podem ser fatais, já que confundem o hipotálamo e podem desencadear um choque térmico. E se a pele estiver mais exposta, como é normal no verão, as células nervosas recetoras da temperatura estão mais desprotegidas.

As máquinas de ar condicionado foram concebidas para ajudar em situações extremas de calor e de frio, numa altura em que a eficiência energética não era um fator que se tivesse em conta. Agora que os edifícios levam esse fator mais a sério, a história inverteu-se: se os isolamentos são melhores, a circulação de ar torna-se mais difícil. Ou seja, nem o ar condicionado escapa (boa!), nem o ar puro entra (má ideia…), logo os níveis de dióxido de carbono aumentam e começamos a respirar um ar muito pouco saudável.

Acontece que andamos a utilizar o ar condicionado até à exaustão, até porque os comandos com que os aparelhos vêm acompanhados estão à mão de semear.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)