Ascenso Simões informou este domingo o líder do Partido Socialista, António Costa, de que se demite do cargo de diretor de campanha dos socialistas para as legislativas. A menos de dois meses das eleições, Ascenso Simões abandona o cargo após a polémica com os cartazes do Partido Socialista.

“Acabei de informar o secretário-geral do Partido Socialista da minha decisão de cessar as funções de diretor de campanha”, escreveu Ascenso Simões na sua página de Facebook. “Quem é responsável por uma máquina deve assumir todas as falhas que ela demonstra, deve tirar ilações de tudo o que, publicamente, se reconhece como erro”.

Ascenso Simões acrescenta que tem “um passado que não [quer] manchar, tenho pelo partido de mais de 35 anos um dever de lealdade”. “E tenho pelo meu país o respeito de sempre ter feito política assumindo todas as responsabilidades de a fazer com elevação e com decência”, acrescenta Ascenso Simões.

“Fico agora mais livre para ser um simples militante que tudo vai fazer para que o PS se consagre como uma verdadeira força de progresso e de modernização da economia portuguesa”, remata o socialista.

O Observador tentou contactar Ascenso Simões, sem sucesso. Tentou, também, uma reação do Partido Socialista, mas ainda não foi possível.

CapturarDepois da polémica com os cartazes, Ascenso Simões recorreu ao Facebook na manhã de sábado para escrever um post com tom pessoal, em que dava a entender que não planeava demitir-se. “Penso saber gerir a emergência, saber manter a calma quando os outros a perdem”, dizia.

Capturar