A cidade de Évora, cujo centro histórico é Património da Humanidade pela UNESCO, atrai cada vez mais turistas, estimando um crescimento de 20% nas dormidas este ano, após viver o melhor ano turístico de sempre em 2014.

A estimativa foi feita à agência Lusa pelo presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, com base nos dados do posto de turismo e do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre as dormidas no primeiro trimestre de 2015, em comparação com o mesmo período do ano passado.

“O aumento [das dormidas] no Alentejo situou-se nos 33%. Évora representa um quarto do Alentejo e, por isso, é que, sendo prudentes, temos falado do aumento, no mínimo, de 20%, mas admitimos que o valor seja provavelmente mais alto”, referiu.

O autarca indicou que o Alentejo “passou de 96 mil ou 97 mil hóspedes”, no primeiro trimestre de 2014, para “130 mil”, no mesmo período deste ano, e que “a projeção destes números para Évora” resulta num “aumento que, seguramente, será bastante superior a 20%”.

Carlos Pinto de Sá assinalou que “os dados oficiais que existem do INE falam essencialmente do Alentejo e não tanto de Évora”, mas realçou que, em termos turísticos, “pelo histórico” que existe, o peso da cidade para a região “é de mais um quarto”.

Segundo o presidente da Câmara de Évora, a subida de 20% no número de dormidas segue-se ao “melhor ano turístico de sempre”, registado em 2014 pelo município, apesar de “os dados concretos ainda não terem sido disponibilizados pelo INE”.

No ano passado, “registámos um aumento muito significativo das dormidas”, disse, precisando que as dormidas, em 2014, “aumentaram na ordem dos 30 por cento” e que, este ano, “estão a ser superadas pelos dados do primeiro trimestre”.

Reconhecendo que a evolução do turismo “tem a ver com circunstâncias, em particular políticas, no norte de África, que permitem desviar fluxos de turistas para o sul da Europa”, o autarca afirmou os dados mostram também que “Évora está a captar turistas numa capacidade superior à média nacional”.

“Há um conjunto de ofertas que Évora está a apresentar que têm contribuído para este sucesso que temos com o turismo”, nomeadamente ao nível da hotelaria, da gastronomia e da animação turística, considerou.

Carlos Pinto de Sá deu como exemplo a área dos vinhos, que regista “uma crescente procura de turistas”, sobretudo de estrangeiros e em especial de brasileiros, que se deslocam a Évora para provar e comprar os “néctares” da região.

O centro histórico de Évora foi reconhecido a 25 de novembro de 1986 como Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).