O Nokia 3310 foi lançado há 15 anos. Apesar das quase duas décadas de existência, o aparelho, já descontinuado, permanece o telemóvel de eleição de alguns e tornou-se num objeto de culto por ser sinónimo de durabilidade. De arqui-inimigo de Chuck Norris a “o único sobrevivente de um possível apocalipse”, a fama do Nokia 3310 é sobejamente repetida.

Desde o seu lançamento, no ano 2000, o Nokia 3310 vendeu 126 milhões de modelos até 2011. Entusiasmou muitos que, pela primeira vez, iriam poder escrever uma mensagem longa (com um limite de 459 carateres) e personalizar as capas e toques dos telemóveis. Além disso, o alarme e a calculadora foram inovações.

Tudo isso desapareceu com o tempo. O que ficou? As horas a jogar Snake II, Space Impact, Bantumi e Pairs II através do ecrã monocromático do Nokia 3310.

200

Outra coisa que deixa saudade é a durabilidade da bateria que, quando nova, dura cerca de 260 horas, equivalente a 10 dias e 20 horas. O que também o torna num objeto de culto é a sua resistência ao dano – nem uma queda de 274 metros destrói o Nokia 3310.

Os utilizadores do Twitter têm celebrado o aniversário do telemóvel.

https://twitter.com/AndrewAokee/status/638770405403037696

O Nokia 3310 faz 15 anos hoje. Grande peça de design e um dos melhores telemóveis já criados”, lê-se no tweet acima.

Wow, o Nokia 3310 faz 15 anos hoje, e eu ainda tenho o meu”, lê-se no tweet acima.

Alguns optaram por sublinhar a resistência que deu fama ao Nokia 3310. Através de montagens, o Nokia 3310 tornou-se na arma de arrombamento de autoridades policiais e no martelo do deus nórdico Thor. Além disso, entre as montagens, o telemóvel foi colocado lado a lado com Chuck Norris, também conhecido pela sua “força imparável”.

https://twitter.com/rantanggg/status/495899805344755712

Texto editado por Diogo Queiroz de Andrade.