Sexo

Não é mito, o sexo faz mesmo bem à saúde

2.787

Queima calorias, faz bem ao coração e até pode adicionar anos de vida a uma pessoa. O sexo faz isto e muito mais, pelo que recordamos 10 benefícios já sustentados pela ciência.

LEO RAMIREZ/AFP/Getty Images

Vamos falar de sexo. Mais precisamente de como a sua prática regular pode representar uma vida mais saudável. Um dia depois de se assinalar o Dia Mundial da Saúde Sexual, recordamos alguns dos benefícios que a ciência já demonstrou estarem associados às relações sexuais — desde fazer bem ao coração e deixar as pessoas mais bem dispostas, a fazê-las parecer mais novas. E não, não há nenhuma quantidade recomendável face ao número de vezes que um casal pode ou deve ter relações numa semana. O que interessa, assegura o terapeuta Fernando Mesquita, é que os dois encontrem um equilíbrio no que à vontade sexual diz respeito.

1. O sexo combate as doenças

Ele ou ela tendem a ficar doentes com facilidade? Se sim, o sexo parece ser um bom remédio. As pessoas que fazem sexo uma ou duas vezes por semana (em média) apresentam níveis mais elevados de Imunoglobulina A ou IgA — um anticorpo capaz de melhorar o sistema imunológico — do que aquelas que não são sexualmente ativas. Em causa está um estudo publicado na Psychology Report e citado pelo Telegraph, jornal que lembra ainda que a relação entre sexo e imunidade nem sempre é positiva: a mesma pesquisa mostrou que as pessoas com os menores níveis de Imunoglobulina A eram as que tinham sexo mais de duas vezes por semana.

2. Queima calorias

A ideia de que o sexo possa ser equiparado à prática de exercício físico é um tema debatível, assegura o site Live Science. No entanto, há estudos que comprovam que as relações sexuais podem, de facto, ajudar-nos a combater os quilos a mais. Em outubro de 2013, a publicação PLOS ONE dava conta de um estudo com as seguintes conclusões: o sexo queima uma média de 4.2 calorias por minuto num homem e 3.1 calorias por minuto numa mulher — isto considerando pessoas entre os 22 e os 28 anos e uma intensidade moderada. O site Live Science escrevia, então, que fazer sexo é melhor do que andar, mas não tão bom como correr.

SYDNEY, AUSTRALIA - DECEMBER 25: Aasiya, from Paris, France, jogs along the waters edge at Bondi Beach on December 25, 2013 in Sydney, Australia. Bondi Beach has long been a popular place for tourists and Australians alike to celebrate on a hot Christmas Day. (Photo by Don Arnold/Getty Images)

Don Arnold/Getty Images

3. Pode melhorar o sono

Segundo um estudo publicado pelo Daily Mail em janeiro de 2014, uma em cada seis mulheres britânicas (17%) dorme mais tempo e mais profundamente depois das relações sexuais. Mas o contrário também se verifica, isto é, uma noite bem dormida pode resultar em relações sexuais mais prazerosas, assegura o jornal New York Times que cita um pequeno estudo publicado no The Journal of Sexual Medicine. A pesquisa envolveu 171 estudantes universitárias e concluiu que, nas mulheres que estavam numa relação romântica, uma hora extra de sono correspondia a níveis mais elevados de desejo sexual; já as mulheres com uma duração média de sono mais longa reportaram maior lubrificação vaginal durante o sexo do que aquelas com uma média de sono mais curta.

4. Ajuda a reforçar os laços emocionais

Quando foi a última vez que mimou a sua cara metade? A pergunta tem razão de ser, dado que os casais que trocam mimos depois do sexo sentem-se mais satisfeitos com a sua vida sexual e, consequentemente, com a relação. A ideia é sustentada por um estudo datado de outubro de 2014 e publicado, então, na revista Archives of Sexual Behavior. A investigação foi desenvolvida por um grupo de cientistas da Universidade de Toronto e mostrou que, para a grande maioria, a troca de afetos é mais importante do que os preliminares ou até que o próprio sexo. É tudo uma questão de boa disposição.

À data, a co-autora do estudo explicou que os mimos eram tidos como “uma recompensa positiva depois do sexo”. À revista Women’s Health Magazine, Amy Muise disse ainda: “Penso que os casais deviam ter consciência de que o período depois do sexo pode ser particularmente importante para criar uma ligação e que pode reforçar os sentimentos de satisfação sexual e relacional”.

5. Aumenta a boa disposição

“Está provado que quem tem sexo fica mais bem disposto ao longo do dia”, diz ao Observador o sexólogo Fernando Mesquita. E o que quer isto dizer? Que, nestas circunstâncias, as pessoas conseguem encarar de forma mais positiva as situações de stress que tendem a surgir.

E porque o sexo é um tema cada vez menos tabu e cada vez mais estudado, recordamos ainda uma investigação de 2007 conduzida por académicos da Universidade do Texas que atesta que aumentar a autoestima era um dos motivos porque as pessoas fazem sexo.

First Lady Michelle Obama (L) and US President Barack Obama (R) hug after delivering remarks during a campaign event at the Alliant Energy Amphitheater in Dubuque, Iowa, August 15, 2012, during his three-day campaign bus tour across the state. AFP PHOTO/Jim WATSON (Photo credit should read JIM WATSON/AFP/Getty Images)

JIM WATSON/AFP/Getty Images

6. Funciona como um analgésico natural

Já não é novidade que o orgasmo promove a libertação de endorfinas, a homorna que encerra em si um poder analgésico. É por isso que a desculpa das dores de cabeça não pega, atesta Fernando Mesquita, uma vez que o sexo pode ajudar a acabar de vez com esse problema. E como se dúvidas houvesse, o Telegraph cita uma investigação científica para explicar que as endorfinas atuam numa questão de minutos — o que é bastante mais rápido do que ir à farmácia e comprar os medicamentos convencionais.

LONDON, ENGLAND - MAY 16: A neon heart sign used in a Florence and the Machine video lies in artist Chris Bracey's shed on May 16, 2011 in London, England. He has been making neon signs and artworks for 38 years, succeeding his father in running the family business. His pieces have featured in many famous advertising campaigns, shops, movies and TV series. Pieces are either commissioned for specific purposes, or designed as bespoke creations that go on to be sold in art galleries worldwide, often to celebrity buyers. (Photo by Matthew Lloyd/Getty Images)

Matthew Lloyd/Getty Images

7. Faz bem ao coração

Já antes o terapeuta sexual Fernando Mesquita explicou ao Observador como o sexo pode ajudar a fortalecer o nosso coração, uma vez que “o aumento da atividade cardíaca, durante a interação sexual, vai melhorar a irrigação e a oxigenação do corpo, dificultando a acumulação de gordura nos vasos sanguíneos”. A reforçar a teoria estão alguns estudos científicos que referem que “uma vida sexual ativa reduz, em cerca de 50%, o risco de enfarte nos homens”.

8. Estimula o cérebro

Não queremos com isto dizer que fique mais inteligente depois do momento íntimo, mas… O Telegraph cita uma investigação de 2010 feita… em ratos. Apesar do público-alvo em questão, as conclusões não deixam de ser interessantes: o estudo sugere que os ratos que tinham relações sexuais com regularidade apresentavam uma taxa mais levada de proliferação de células no hipocampo — a parte do cérebro que está associada à memória. Verificou-se ainda um maior crescimento de células cerebrais (e um aumento no número de ligações entre as respetivas células).

Old-Couple

Réhahn

9. Age como um elixir de juventude

Talvez esteja na altura de pôr de lado os creme que prometem combater as rugas. Ou, então, acrescentá-los a outro tratamento que também se julga ser eficaz. Em 2013, David Weeks  — que, em tempos, chefiou o departamento de psicologia para a terceira idade no Royal Edinburgh Hospital — apresentou ao mundo a sua pesquisa, a qual defendia que homens e mulheres com uma vida amorosa ativa tendem a parecer cinco a sete anos mais novos. O estudo em questão exigiu uma década de pesquisa, período durante o qual homens e mulheres de todas as idades foram questionados. Resultado? Aqueles que pareciam ser mais novos alegavam ter, em média, sexo com maior frequência (o que na faixa etária dos 40 a 50 anos representava, por exemplo, três vezes por semana em vez de duas vezes).

Mas ter uma vida sexual saudável não é só uma questão de aparências, uma vez que pode mesmo prolongar-lhe a vida. Um estudo feito em 1997, conduzido numa cidade galesa, no Reino Unido, veio demonstrar que os homens que tinham dois ou mais orgasmos por semana podiam ter até mais oito anos de vida. Nada mau…

LONDON, ENGLAND - OCTOBER 31: A couple relax in the sunshine in Green Park on October 31, 2014 in London, England. Temperatures in London are forecasted to exceed 20 degrees making today the hottest Halloween on record. (Photo by Rob Stothard/Getty Images)

Rob Stothard/Getty Images

10. Sexo é comunicação

O sexo não traz apenas benefícios físicos. Numa primeira instância, representa a forma de um casal se encontrar e comunicar. “Quando existe uma relação sexual existe a libertação de hormonas como a ocitocina, muito ligada à questão do apego e capaz de fortalecer as relações”, conclui Fernando Mesquita.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Exploração Sexual

O Estado na nossa cama /premium

Alberto Gonçalves
1.939

Na essência a beatice do ensino “progressista” não difere da do juiz de que se fala: ambos se convenceram de que lhes compete evangelizar o próximo – e o pior é que, com frequência, o próximo agradece

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)