437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

E se a roupa se movesse com o poder do olhar?

Este artigo tem mais de 5 anos

É um casaco com sensores que reconhece o olhar dos outros e se mexe em função dele. E ainda deteta o género e idade de quem o está a mirar de alto a baixo. Será este o futuro da roupa?

i

Behnaz Fahari

Behnaz Fahari

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Vamos na rua e sentimos o olhar indiscreto de alguém. É invasivo e, por vezes, incómodo (pronto, nem sempre). Uma coisa é certa: a partir de agora nenhum desses olhares vai passar despercebido. E é a sua roupa que o vai alertar.

Chama-se “Caress of the Gaze” (ou, em português, Carícia de um Olhar) e é uma peça de roupa que muda de padrão de acordo com o movimento dos olhares alheios. As fibras inteligentes têm capacidade de se contrair e expandir através de uma câmara oculta que deteta o género, idade e direção do olhar de quem olha.

Caress of the Gaze from Pier 9 on Vimeo.

Não, não é roupa com vida, mas quase: trata-se de um material impresso em 3D com a função de se comportar como pele através de um algoritmo de reconhecimento facial. A ideia foi de Behnaz Farahi, uma arquiteta que que inspirou na elasticidade da pele para criar uma versão artificial deste órgão, tudo com base em “questões sociais, como a intimidade, o sexo e inclusivamente identidades”, como explicou a artista à BBC.

A moda da roupa inteligente veio para ficar, mas já não é nova. Ainda no ano passado, a Semana da Moda de Nova Iorque teve a presença de Yin Gao, a chinesa que desenhou roupa com peças metálicas que se moviam de acordo com a informação proveniente de sensores de som.

“Dinâmica e interativa”. É assim que Behnaz Farahi espera que a roupa seja num futuro próximo. “Neste sentido, a moda transforma-se num interface entre o corpo e o ambiente circundante. A moda pode facilitar novas formas de comunicação e melhorar as experiências”, define a artista que no passado já havia inventado um chapéu que se ilumina com a atividade cerebral.

bbb

Créditos: Behnaz Farahi/ Facebook

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.