Redes Sociais

Finstagrams. As contas “falsas” do Instagram (ou não)

Finstagrams são as novas contas do Instagram utilizadas pelos mais jovens para mostrar a sua versão mais autêntica. Aqui não há lugar para fotos perfeitas, para selfies bonitas, nem para filtros.

O Finstagram é a versão menos "maquilhada" do Instragam oficial.

AFP/Getty Images

Duas vidas. Duas contas. Duas personalidades. Ou simplesmente a realidade contra a virtualidade. Os Finstagrams são as novas contas do Instagram e têm uma particularidade: as fotos não têm o ângulo perfeito, os filtros são indiferentes, as selfies não são bonitas e as fotos dignas de revista de moda não existem.

Outro pormenor: o círculo de seguidores é restrito, só mesmo para amigos, porque os finstagramers não querem partilhar a sua vida (a real?) com todos os seguidores do Instagram “oficial”. São Instagrams falsos, ou talvez aquilo que mais se aproxima da realidade de quem os cria. O Instagram “oficial” é a versão mais glamorosa, onde só cabe a felicidade, as fotos belas de paisagens ou de refeições saborosas partilhadas com amigos.

Os Finstagrams foram criados por jovens que se cansaram dos seus “avatares” online perfeitos. Uma jovem estudante do Trinity College, Amy Wesson, contou ao The New York Times, que tem duas contas. No Instagram oficial tem 2700 seguidores, ao passo que no Finstagram só tem 50. “Nós colocamos coisas que queremos que só os nossos amigos vejam, como imagens pouco atraentes ou histórias aleatórias sobre o dia-a-dia”, disse Amy.

As “regras” do Instagram são completamente ignoradas neste tipo de contas. Se no Instagram oficial não é bom publicar mais do que uma foto por dia, das bonitas, no Finstagram as fotos são estranhas e as selfies propositadamente feias. Parece ridículo? Não é. Vários especialistas explicam que os adolescentes nascidos na era da omnipresença das redes sociais carregam o peso de gerir vários mundos da sua vida.

“Antes, quando as pessoas estavam a dormir, estavam só a dormir”, disse um professor de psicologia da Universidade Pace, Leora Trub. “Antes ninguém estava a julgar-nos enquanto dormíamos”, acrescentou, explicando que na investigação que realizou descobriu que muitos utilizadores do Instagram sofrem com sintomas depressivos – como medo, solidão ou fadiga.

A verdade é que para muitos jovens as redes sociais se tornaram numa parte das suas vidas que precisa de ser gerida, que precisa de manutenção. Os Finstagrams são a forma de os utilizadores se expressarem sem medo: são a “realidade”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Janeiro é o mês dos divórcios /premium

Rui Maria Pêgo
176

Se é verdade que um país que não produz cultura não pensa sobre si mesmo, um país que assiste passivo a uma televisão - ou ouve inanimado uma rádio – também se demite de se sentar à mesa.

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)